arquetipos

Pai, adulto ou criança: em qual arquétipo você está vibrando, líder?

Pai, adulto ou criança: em qual arquétipo você está vibrando, líder?
Um líder precisa enfrentar muitos desafios ao conduzir sua equipe; mas esses desafios são ainda maiores quando ele lidera a si. Um bom profissional aprende com seus erros, acertos e com seus medos. Ao se conhecer, descobrir quais são seus pontos fortes e quais são suas sombras – pontos a serem melhorados – ele se dispõe a evoluir cada vez mais.
Costumo dizer que antes de liderar o outro, precisamos liderar a nós mesmos. E talvez você esteja se perguntando: – Mas como isso é possível? Como ser um “líder de si”?
Simples: investindo no autoconhecimento.

Alguns testes são essenciais para que essa autodescoberta seja assertiva e traga bons resultados. O Extended Disc é um deles. A ferramenta permite se descobrir a partir dos níveis de Dominância, Influência, Estabilidade e Conformidade – DISC. Dessa forma encontramos soluções para muitos de nossos questionamentos internos, percebemos quais atitudes funcionam e quais devemos deixar para trás.
Quando você se conhece, se “cura”, compreende o porquê de muitas de suas ações, quem você é agora e o que precisa fazer para ser quem deseja. Pessoas que convivem bem consigo respeitam sua própria essência e agem com mais coerência, de acordo com seu talento e suas habilidades, focando sempre em suas características positivas.
Os resultados desse processo? Extremamente positivos. Mais equilíbrio, satisfação, consciência, empatia, energia focada no que de fato é importante.
Existem outras formas de exercitar o autoconhecimento, uma delas, a qual explico um pouco mais, é a Análise Transacional (AT), teoria de psicologia criada e desenvolvida pelo psiquiatra Eric Berne.
Berne identificou que cada indivíduo tem três partes distintas e funcionais, os Estados de Ego – que consistem em um sistema de emoções e pensamentos, acompanhados por um conjunto afim de padrões de conduta. Explicando de forma simples e direta, basicamente o pesquisador dividiu a personalidade em três componentes: Pai, Adulto e Criança.
Os três Estados de Ego podem ser comparados a três pessoas diferentes, que atuam e interagem dentro de nossa mente. Ao nos relacionarmos com os demais atuamos em um desses três estados. O Pai pode ser identificado como o conceito ensinado de vida. O Adulto é o conceito pensado e a Criança é o conceito sentido.
Ao explicar cada um desses arquétipos convido-o a refletir sobre qual deles você está vibrando neste momento. Peço que preste atenção em cada um e identifique suas atitudes. Você tem sido um “líder pai”, um “líder adulto” ou um “líder criança”?

Pai

O Pai está relacionado ao que vivenciamos em nossa infância, nossas condutas, pensamentos e sentimentos dos pais ou responsáveis; assim como de professores, babás e até mesmo de mensagens vindas da televisão ou do rádio.

Se pararmos para refletir, o que faz um pai, uma mãe? Eles protegem, alimentam, educam, ensinam a viver em sociedade, moralizam e servem como um exemplo. O psiquiatra ainda dividiu o arquétipo em: Pai Crítico, Pai Protetor e Pai Bruxo.

O Crítico é aquele que impõe normas rígidas, de maneira severa e impositiva. Ele julga, moraliza, institui o que deve ser feito e também é tido como o “dono da verdade”. Braços cruzados, dedo acusador e olhar severo são características físicas presentes nesse perfil.

Já o Protetor, também conhecido como Nutritivo, não tem postura impositiva, ele permite que o outro cresça e desenvolva sua própria individualidade. A gratificação é um ponto intrínseco a ele. Braço no ombro, sorriso compreensivo e acariciar a cabeça são atos recorrentes. Algumas frases como “Confio em você”; “Você errou, mas não importa, errar é humano”, compõem sua personalidade.

O Bruxo ou Papão, possui traços como temor, ansiedade, depressão e confusão. Ele acaba potencializando esses fatores negativos nos demais. Sabe quando o irmão mais velho conta uma história de terror, deixando o mais novo com medo? Assim funciona o Pai Bruxo, desperta medo, causa desconforto.

E então, líder, será que você está vibrando em um deles? Um líder Pai Crítico impõe regras, não está aberto para ouvir as soluções dos colaboradores. Aponta os erros e não se preocupa em ajudar na evolução do profissional.

O Pai Protetor faz de tudo para cuidar e proteger o time. Ele pode até “passar a mão na cabeça”, suportar uma situação quando deveria conversar e falar a verdade para o funcionário. Já o Pai Bruxo é capaz de manipular uma situação para se beneficiar, possui comportamentos conhecidos como “líder autocrata”.

Age de forma indireta – na frente está tudo bem, mas quando o colaborador vira as costas, o contrário aparece.

Adulto

Essa parte do Ego é conhecida por raciocinar de forma objetiva, o adulto analisa a realidade e decide o que é adequado e inadequado. Apresenta maturidade emocional; não tem medo de dizer não, nem de elogiar quando percebe que é merecido. Ele também sabe dar e receber feedback.

Para vibrar nesse arquétipo um líder precisa exercitar a consciência, a espontaneidade. Ele tem que estar sempre disposto a se atualizar e a investir no autodesenvolvimento.

O Adulto capta as informações externas, pensa em cima delas e consegue responder de forma adequada, sempre com verdade.

Criança

O arquétipo Criança representa nossas emoções: amor, alegria, prazer, raiva, medo, tristeza e tudo o que tenha a ver com nosso corpo. Ela nos permite fluir, sentir, criar e intuir. Esse é o traço mais autêntico e, ao mesmo tempo, o mais reprimido pela educação e pelo processo de socialização. Berne também divide esse Estado em três componentes: Criança Livre, Pequeno Professor e Criança Adaptada.

A Livre tem relação com a nossa procura pelo agradável e pela fuga do desagradável, é regida pelo “Princípio do Prazer”. É movida pelo instinto, é irracional e atemporal. Vive no próprio ritmo e nos permite ser espontâneo e aproveitar a vida.

Na Pequeno Professor, Berne percebeu a habilidade que as crianças possuem em criar empatia. Nesse caso o perfil procura obter carícia, processando as informações e tomando decisões de forma pré-lógica e inconsciente para o adulto.

A criatividade, curiosidade, empatia, astúcia e vivacidade são presentes nessa ramificação do arquétipo. Sabe quando você tem uma ideia incrível? É à Criança Pequeno Professor que está recorrendo.

Já a Criança Adaptada é a que modifica sua conduta sob a influência do Pai, se comporta de acordo com o que ele programou. Ela se subdivide em: Criança submissa, obedecendo as ordens e expectativas de seus pais sem questioná-los e, Criança Rebelde, que já faz o contrário, agindo totalmente diferente do que ordenaram.

Resumindo: a Submissa obedece ordens, a Rebelde age diferente do esperado, a Livre faz o que deseja, de forma espontânea e, a Pequeno Professor é criativa.

Todos esses arquétipos têm seu lado positivo e negativo. Nós, enquanto líderes, dentro de nossa rotina no trabalho, até mesmo em nossos relacionamentos pessoais agimos de acordo com um deles.

Como falei, acredito que um bom profissional é aquele que procura pelo autoconhecimento, que não tem medo de descobrir suas fraquezas e fortalezas para evoluir e saber como agir com os demais. Na tabela abaixo você, líder, conseguirá identificar Luz e Sombras desses perfis:

PAI, ADULTO E CRIANÇA – Luz e Sombras
Pai Crítico Positivo: orientado, protetor, direto, firme e justo
Pai Crítico Negativo: perseguidor, agressivo, autoritário, humilhante, preconceituoso e moralizador compulsivo
Pai Protetor Positivo: permissivo, afetuoso, protetor, ensinando sem imposição
Pai Protetor Negativo: salvador, superprotetor e meloso, que impede o crescimento
Adulto Positivo: racional, lógico, objetivo, ético, atuando com simpatia no aqui-agora
Adulto Negativo: manipulador que planeja apenas para proveito próprio ou visando a destruição do outro
Criança Adaptada Positiva: disciplinada e responde automaticamente em situações de rotina, permitindo a economia de tempo e esforço e se adaptando às normas sociais, possibilitando a convivência na sociedade
Criança Adaptada Negativa: repete condutas destrutivas da infância; quando Submissa é cheia de temores, ansiedade, confusão, angústia e oposição, sistemática, ressentimento, desconfiança, indignação e ódio, buscando um Perseguidor
Criança Livre Positiva: espontânea, natural afetuosa, que desfruta, ama, é criativa, curiosa e intuitiva
Criança Livre Negativa: Negativa é egoísta, bagunceira, impetuosa e ruidosa

Agora ficou mais fácil de analisar, não é mesmo? O objetivo da Análise Transacional é levar o indivíduo do circuito negativo para o positivo. Pelo inconsciente o Ego Pai se atualiza e se adéqua à realidade, largando mão de seus modelos inadequados e destrutivos.

O Adulto se fortalece com informações que visam a conscientização para que ele seja o executivo da personalidade. Já a Criança, tendo o apoio do Pai Protetor e a lógica do Adulto, é estimulada a se libertar de gravações e decisões irracionais e destrutivas.

Será que você tem sido um líder que cobra demais? Será que tem cobrado menos e acobertado erros de seus colaboradores? Protegendo muito? Será que está tendo equilíbrio ao liderar seu time? Tem agido de forma irracional, “mimada”, quando algo não sai como você quer?

O perfil ideal que um bom gestor deve ter é o de um Adulto seguro, consciente, responsável. Uma Criança motivada, criativa, intuitiva e um Pai potente, direto e justo. Dessa forma, tanto ele quanto sua equipe poderão evoluir. Se ele não identificar seus pontos negativos, corre o risco de deixar todo o time vibrar no arquétipo criança – na forma negativa dele.

A causa e o efeito ideal se dá por meio de uma relação sadia, com verdade, empatia, segurança e integridade; com muito feedback para que todos vibrem no mecanismo Adulto e cresçam em conjunto.

Você identificou o que precisa mudar, líder? Se sim, comece agora.
Boa sorte e conte comigo!

 

 

One Response

Add a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *