vanusa_cardoso_blog_por que_voce_precisa_aprender_a_dizer_nao

Por que você precisa aprender a dizer não

Ao longo da minha trajetória profissional e até no meu dia a dia, entre amigos e familiares, conheci muitas pessoas com a mesma característica: não conseguir dizer não. Percebam que eu usei o verbo “conseguir” porque é justamente o que acontece. Por algum motivo, mesmo quando querem e quando precisam, essas pessoas não conseguem dizer a palavra não. E quando se vê, o não se transforma em sim, ou em culpa.

Enquanto para alguns é fácil, para outros, negar o happy hour com os colegas após o expediente, dizer aos filhos que não pode comprar determinado brinquedo, falar ao companheiro que não quer viajar no fim de semana ou dizer ao chefe que não consegue realizar uma tarefa porque a pauta está lotada e o prazo é curto, se torna algo difícil.

Com isso, os sentimentos de culpa, de fragilidade e de decepção chegam. Ninguém quer desapontar o outro, mas, dizer não é necessário, e é importante para que você viva feliz, de acordo com quem é, com o que pensa, com o que deseja, mesmo que o outro não entenda ou não concorde com isso. Dizer não é tão importante quanto dizer sim, principalmente para que você não desaponte a pessoa que deve estar em primeiro lugar na sua vida: você

Mas e como o outro vai reagir diante do seu não? Vai ficar bravo? Vou me colocar em uma situação chata? Acredite: há muitas formas de se expressar e dizer não com verdade e amor. É assim que se dá uma comunicação assertiva: com clareza, explicando e contando como realmente se sente e pedindo para que o outro se coloque no seu lugar.

Quais são os benefícios de dizer não?

Acho que um dos principais benefícios de aprender a dizer não é estar alinhado consigo mesmo. Quando você sabe o que quer e o que não quer, aprende mais sobre si, a sua história e está mais aberto a alcançar o que deseja. Dessa forma o outro também aprende a respeitá-lo e a entender suas ações e seu ponto de vista. 

Você já reparou o quanto é desgastante fazer algo por obrigação? Ou tentar dar conta de tudo, quando você sabe que não consegue – ou que não deveria? Dizer não, impor limites, não faz de você uma pessoa ruim. Faz de você um ser humano, que entende seus limites, suas dificuldades e que também precisa de ajuda – e está tudo bem. 

Quando você começa a dizer mais não e passa a se ouvir e a se respeitar, deixa se se sobrecarregar de tarefas e emocionalmente e, consequentemente, as situações complicadas também vão diminuindo. Porque você aprendeu que está tudo bem não dar conta de tudo, ou precisar de ajuda. 

Como dizer não sem sentir culpa

Se você ainda não se sente confortável em dizer não, não se preocupe. É um processo, requer tempo e exercício constante. Saiba que você não precisa dizer não de forma dura e direta. É possível negar um convite ou uma tarefa sem brigar, sem gerar uma situação constrangedora. Como? 

Comece identificando suas prioridades: você consegue dar conta do que te pediram?
Você quer fazer, quer ir? O que você sente com relação a isso? Se você quer ir/fazer é por causa do outro, do que ele irá pensar sobre você ou por sua causa, porque é um desejo seu?

Depois de descobrir a sua real motivação, seja verdadeiro consigo mesmo. Se você quer dizer não, você pode – e deve – dizer não. Comece agradecendo o convite do outro e explicando por qual razão não poderá ir.

Exemplo 1: Muito obrigada pelo convite, mas nesta semana eu tenho outros planos e, infelizmente, não consigo ir. 

O mesmo você pode fazer com relação ao seu chefe, quando ele perguntar se você pode fazer determinada tarefa. 

Exemplo 2: Infelizmente eu não consigo realizar essa tarefa hoje. Estou dando prioridade para o relatório que você me pediu nesta semana e preciso de tempo para focar nele. Você consegue aumentar o prazo dessa nova tarefa ou pedir para outro colaborador? 

Viu como é possível? Nos dois exemplos o não foi dito de uma forma educada, verdadeira, sem medo e sem culpa. Percebe que tudo está na forma como nos comunicamos com o outro? No nosso tom de voz e na abordagem? 

Priorize-se sempre! Quando receber um convite ou um pedido em que você não se sente confortável, converse. Tente explicar seu ponto de vista com calma, com carinho e escutar o outro também. Se não sabe qual será a sua resposta diante de uma situação, peça um tempo para pensar – não há nada de errado nisso.

E, quando o outro não entender o seu não. Negocie. É bom chegar em um consenso no trabalho, por exemplo, priorizar o que deve ser priorizado e achar outras formas de resolver, sem que você se sinta pressionado, com medo ou na obrigação de dizer sim. 

Lembrando: dizer não é importante e é necessário para sua saúde mental, emocional e espiritual. Quando deixamos de falar não para o outro, é como se estivéssemos nos violentando, nos machucando, porque deixamos de seguir a nossa vontade e fazemos algo por obrigação.

Então bora dizer não sem medo e sem culpa neste ano?
As matrículas para meu curso online de Comunicação Não-Violenta, Comunicação Assertiva e Comunicação Amor/Verdade estão abertas e esta é uma ótima oportunidade para você aprender a se comunicar estando mais conectado ao que sente e pensa. 

banner_vanusa_cardoso_comunicacao_nao_violenta

O seu sucesso no trabalho e na vida depende muito da forma com que você se coloca e se comunica. Vamos nos comunicar com assertividade no ano que está por iniciar? Aproveite e faça o curso, os exercícios, e presenteie quem você ama. Clique no banner e confira!

Até a próxima!

Qual é a sua forma de comunicar? Passivo, passivo-agressivo, agressivo ou assertivo?

Qual é a sua forma de comunicar?

Passivo, passivo-agressivo, agressivo ou assertivo?

Exatamente isso, e dependendo da forma como nos comunicamos temos mais ou menos assertividade em nossas conexões.
Muito se fala em ser assertivo, em ter assertividade em ser adulto emocionalmente. Já escutou este termo por aí?

 

“Assertividade é a capacidade que uma pessoa possui de se expressar de forma franca e sincera sem negar os direitos dos outros.”

 

Ou seja, ser assertivo é conseguir expressar-se (falar o que está sentindo, no entanto no tom, forma e contexto adequado. Acha possível tornar-se uma pessoa assertiva na sua comunicação?

Minha resposta é que SIM! Sabe porquê? Por que assertividade é uma habilidade, portanto possível de ser desenvolvida.
Como desenvolver? Primeiro reconhecendo como sou, como me comunico, trazendo para a luz da consciência em qual dos 4 mecanismos estou me comunicando hoje.

 

Então vamos lá as 4 formas de comunicação:

1. Comportamento passivo

Nesta hipótese a pessoa concorda com o que é dito ou com os acontecimentos à sua volta, mesmo não concordando.
Principais características: normalmente são tímidas, raramente se envolvem, tem vergonha de perguntar porquê, tem medo de dizer não, sentem falta de confiança e raramente reclamam (mesmo descontentes).

Como são os comportamentos dessa pessoa?

Guardam quase tudo o que sentem, tem paciência “sapo boi”, engolem literalmente os “sapos” da vida. Mas quando chegam no seu limite, explodem. Vão para o outro extremo, ocorrendo assim os rompimentos.

Sabe aquela pessoa que nunca reclama, e quando menos se espera ela pede demissão ou pede para se separar? Esse é o comportamento da pessoa que tem como predomínio de comportamento passivo.

 

2. Comportamento passivo-agressivo

Estas são aquelas pessoas que sempre têm algo a dizer, no entanto nunca dizem. Elas não tem coragem para expressar o que pensam e reclamam pelas costas.

Suas principais características são: evitam conflito, raramente se manifestam, no entanto são agressivos por traz dos panos. São os famosos (as) “duas caras”, considerados falsos. Ficam em cima do muro, não manifestam sua opinião, no entanto falam de você pelas costas

Como são os comportamentos dessa pessoa?

Essa pessoa evita conflito, no entanto é “rebelde e imatura emocionalmente”. Não tem coragem de expressar o que sente e pensa, no entanto gera intriga com seu comportamento “em cima do muro”. Essa pessoa precisa investir em seu autoconhecimento, tomar consciência do quanto esse comportamento impacta em seus relacionamentos e sair do papel de vítima. Precisa internalizar e ressignificar que, falar para “os lados” não resolve, só desagrega e gera falta de confiança para as pessoas a sua volta.

 

3. Comportamento agressivo

Aqui ocorre o oposto, a pessoa responde de forma agressiva a qualquer situação, gerando conflitos desnecessários e muitas vezes não percebidos pelo próprio.

Suas principais características são: tem opiniões bem fortes e não tem medo de expressá-las, mesmo quando não lhe é solicitado.

Como são os comportamentos dessa pessoa?
Sabe aquela pessoa que é grosseira e ríspida e diz assim: “sou sincero, falo na cara mesmo, não importa se vão ou não gostar”.

Conhece alguém assim? Então, esse é o comportamento agressivo, na verdade a pessoa até é sincera, no entanto a forma como se expressa gera prejuízos e conflitos nas suas relações interpessoais muitas vezes irreversíveis, afastando as pessoas.

Na foto deste artigo demonstro uma imagem para exemplificar um comportamento agressivo. A pessoa agressiva intimida, gera medo e distanciamento nas pessoas.

 

Você se identifica com o comportamento agressivo? Isso te prejudica?

 

4. Comportamento assertivo

Chegamos então no melhor dos mundos, o comportamento ASSERTIVO!
Aqui a pessoa expressa de forma adequada todos os seus pensamentos e sentimentos, não perdendo de vista uma tentativa de solução para o eventual problema.

Suas principais características são: fala por si mesmo (a), usa linguagem corporal apropriada, mantém contato visual e não têm medo de perguntar por quê.

Como são os comportamentos dessa pessoa?
É uma pessoa íntegra com seus sentimentos e emoções, ou seja, consegue viver em harmonia com o pensar, sentir e agir. Essa pessoa vive de forma coerente, se expressa com gentileza e firmeza ao mesmo tempo. Demonstra segurança em sua fala, sabe o que quer!

A assertividade é importante para você?

 

Como posso me tornar mais assertivo?

Uma forma prática para treinar a comunicação assertiva é saber o que quer e falar por si mesmo usando frases com os verbos:

  • “eu compreendo”
  • “eu percebo”
  • “eu observo”
  • “eu sinto”
  • “eu vejo”
  • “eu quero resolver”

 

Não tenha medo de perguntar por quê?

Saiba dizer “não” acompanhado de frases que demonstrem como você se sente. Mas não se sinta obrigado a ter que se justificar sempre e não peça desculpas, pois a desculpa enfraquece sua posição. Diga “não” sempre firme e calmamente combinando seu tom com a mensagem.

Um maior número de respostas assertivas levará a pessoa a melhorar seus relacionamentos, já que haverá chances menores de frustrações, conflitos ou mal entendidos, uma vez que ele estará na maior parte do tempo exprimindo corretamente seus sentimentos e emoções.

Agora que você já trouxe para a luz de consciência o conceito dos 4 comportamentos lhe provoco a pensar: como você está se comunicando hoje? Está agindo no arquétipo do adulto e sendo assertivo? Leia esse artigo.

Boa notícia, comunicação assertiva é uma habilidade, totalmente possível de ser desenvolvida!

 

Gostou deste artigo? Não perca os próximos. Cadastre-se agora para receber novos conteúdos em primeira mão!

 

Quais outros temas você gostaria que escrevêssemos para você? 

Deixe aqui seu comentário e nos estimule a ir além e contribuir cada vez mais com seu autodesenvolvimento!

 

Saiba AGORA como reduzir os conflitos nos relacionamentos. Aprenda técnicas poderosas.

Um abraço coach,
Vanusa Cardoso.
Psicóloga, Master coach e especialista em processos grupais.