Como e quando posso elogiar em grupo?

Como e quando posso elogiar em grupo?

Como e quando posso elogiar em grupo?

 
Elogiar alguém em grupo é ainda mais poderoso do que elogiar essa pessoa individualmente!
Imagine-se recebendo um elogio – logicamente merecido – na frente de outras pessoas. Não é maravilhoso? Claro que sim! Certamente você se sentirá muito feliz com o reconhecimento.
Contudo, para que se elogie em grupo é preciso tomar alguns cuidados técnicos para que este seja sadio, tanto para quem recebe, tanto para o time que escutou.
 

Vamos para a prática:

 
Case 1
Imagine que Julio, seu colaborador, está recebendo um elogio pela excelente pontualidade em entregas de suas tarefas. Você, como líder, o elogia em grupo, na frente dos demais colegas. O que você acha que Julio sentirá? Grande alegria, certamente. Só que, se algum outro integrante da equipe obtenha uma performance tão boa quanto a de Julio também é preciso elogiar – e em grupo. Essa é a “regra de ouro”.
É correto e eficaz elogiar em grupo, no entanto, você tem que estar atento para reconhecer outros colaboradores quando eles lhe surpreenderem positivamente. Caso contrário, líder, esse elogio poderá gerar intrigas no próprio grupo e incentivar conflitos e atitudes imaturas por parte dos colaboradores. Compreende?
 

Aqui vai um conselho

Líder de verdade elogia sim, e muito, em grupo! Sabe por quê? Porque ele está sempre atento, sempre vê o que as pessoas fazem e, quando alguém faz algo tão bacana tanto, ele fará questão de elogiar.
O resultado dessa atitude? Uma equipe altamente engajada, motivada e cooperativa. Colegas torcendo um pelo sucesso do outro e, nesse caso, todos ganham!
 

Mais um pouco de prática para você líder:

 
Case 2
Situação: Tenho uma equipe com 10 colaboradores. Um deles, Luiz, está apresentando um resultado extraordinário em relação as vendas. É pró-ativo, focado e sabe se relacionar muito bem com os clientes internos e externos. Neste mês superou suas metas.

Como líder, posso elogiar Luiz na frente de todos da equipe? Isso é certo ou errado?
Resposta: Pode e deve elogiá-lo na frente da equipe, no entanto não esqueça da regra de ouro. Assim que alguém fizer algo também que mereça elogio você deve fazê-lo também na frente as pessoas.
O segredo está em manter sempre o mesmo critério!
 
 
Case 3
Tenho uma equipe com  10 colaboradores, 8 estão de parabéns pela excelente performance que apresentaram no último mês, estão engajados, focados e dando seu melhor na busca dos resultados da companhia.
No entanto, 2 colaboradores  (Pedro e Ana) não estão no mesmo ritmo do grupo, estão desengajados, atrasam com frequência, apresentam comportamento passivo agressivo e estão apresentando baixo resultado.
A pergunta é: posso fazer uma reunião e parabenizar todos da equipe (juntos) pelos resultados apresentados?
Resposta: Não, não parabenize todos em reunião geral de forma alguma!
Caso faça isso sabe o que pode ocorrer? Os dois colaboradores que estão desengajados (Pedro e Ana) ficarão na zona de conforto achando que estão bem, e os demais 8 colaboradores que apresentam hoje excelente performance se perguntarão, do que adianta se esforçar se quem não se esforça também ganha elogio? Percebem aqui o dano causado? Você desmotiva os 8 colaboradores excelentes.

O que fazer então?

  1. Chamar de forma individual cada um dos 8 colaboradores e lhes parabenizar pelos resultados atingidos. Confira aqui como elogiar;
  2. Chamar de forma individual Pedro e Ana e lhes dar um feedback de aprimoramento. Deixando claro (de forma específica) o que não está bom e estabelecendo novo contrato de resultado.

 

Você pode me questionar: mas Vanusa, dessa forma dá muito trabalho!

 
Eu lhe respondo, gerir pessoas dá trabalho sim!
Mas sou convicta em lhe dizer, não gerir pessoas dá MUITO MAIS TRABALHO!
E o pior, quando você não faz a gestão das pessoas o impacto no resultado é matemático.

 
Lembre-se da lógica: PESSOAS, PROCESSOS, RESULTADOS!

 
Olhe “vendo” para as pessoas, desenvolva-as, importe-se com elas. Essas pessoas vão querer fazer o processo da forma correta e eficaz, e aí o que acontece com sua empresa? OBTÉM RESULTADO!
É simples, mas exige sim muita técnica, empatia e foco nas pessoas.
 
Com base nestas provocações o que fica de aprendizado deste artigo? Deixe aqui seu comentário!

Conecte-se conosco! 

 
Vamos que vamos, uma excelente semana!
 
Um abraço coach,
Vanusa Cardoso.
Psicóloga, Master coach e especialista em processos grupais.
 

Imagem destaque Woody: uma reflexão acerca de sonhos e escolhas

WOODY: uma reflexão acerca de sonhos e escolhas

Hoje eu gostaria de lhe fazer um convite: vamos parar alguns minutos e refletir sobre nossos sonhos? Levando em conta que estamos quase na metade de 2016, você já abriu sua lista com as metas para o ano e identificou quais delas foram cumpridas?

Há algum tempo assisti a um curta-metragem que me levou a refletir sobre isso. Sempre fui pautada pelos sonhos e os vejo como algo de suma importância em nossa vida. É por isso que compartilho esse material com você.

Ao assisti-lo, analise tudo o que aconteceu em sua vida durante esses meses; se algo o desviou da rota que havia planejado, se mesmo diante das dificuldades você continuou o caminho, ou se os sonhos foram realizados em uma velocidade inimaginada, por exemplo.

Woody é um stop motion alemão em preto e branco. Sua fotografia é bonita, dramática, reflexiva – uma ótima opção para os amantes de cinema. A mensagem por trás da história é intensa e muito pertinente: o que acontece conosco como nos auto-sabotamos, quando burlamos nossos sonhos e não seguimos o que de fato acreditamos?

 

No curta, vemos o personagem na escola, quando criança, contando sobre o que ele deseja ser quando crescer. Woody quer ser pianista, mas no lugar das mãos, possui pás de madeira, o que dificultaria sua performance. Ao expor essa vontade para os colegas, todos começam a rir e o desencorajam.

Ele desiste e passa a trabalhar com algo que não lhe traz prazer, que não lhe faz sentido. Acorda sem motivação, infeliz, opera suas funções de uma forma mecânica, sem emoção, sem brilho nos olhos – mas sempre com a vontade de se tornar um grande pianista.

Sonhando acordado, sem foco, sem vontade de estar naquele lugar, ele passa a prejudicar a si e a empresa na qual trabalha e, o que muitos viriam como um acontecimento ruim, Woody vê como uma oportunidade. Ele decide transformar suas pás em mãos e recomeçar.

Volta então ao ponto de partida, não dá ouvidos a mais ninguém, apenas ao seu coração e realiza seu sonho.

 

Como você pode seguir os seus sonhos reduzindo os conflitos nos relacionamentos? Saiba agora.

 

Por que devemos ouvir nossa voz interior?

Já percebeu que muitos fatores podem nos tirar de nossa rota e nos levarmos a caminhos que não nos fazem sentido? Por isso a importância de rever as metas constantemente e avaliar o que estamos fazendo, quais estradas estamos percorrendo para que possamos cumpri-las.

Será que neste momento você é um Woody triste, cabisbaixo ou é o Woody feliz, que faz o que gosta e se sente completo com isso? O quanto você tem permitido que as pessoas, que as situações cotidianas interfiram em seus sonhos?

Muito mais do que sonhar, é preciso persistir, ter foco, olhar para dentro de si e confiar que você vai conseguir, que não importa o que aconteça, o que digam, você vai chegar lá. Mas também é preciso acompanhar seus sonhos, verificar se você não está se perdendo, se está fazendo de tudo para realizá-los.

Neste vídeo, eu conto um pouco sobre uma das técnicas que eu utilizo e que dá muito certo: o Baú dos Sonhos. Ele lhe ajudará a conquistar seus objetivos e a seguir em frente, sem medo, com muita fé e perseverança em si e na vida.

 

Então, bora realizar tudo aquilo que você deseja? Não importa se já estamos no final de abril, o que importa é seguir, avaliar suas vontades sempre e nunca desistir.

 

“São as nossas escolhas que revelam o que realmente somos, muito mais do que as nossas qualidades.”

Alvus Dumbledore – Harry Potter

 

03

Coach Group – Janeiro 2016

Janeiro é um mês importante para refletirmos sobre o que queremos ao longo do ano.
Quem acompanhou minhas redes sociais percebeu que também tirei os primeiros dias de 2016 para me renovar e, como você faz parte desse processo de transformação e estou muito grata com isso, hoje, no último dia do mês, gostaria de lhe presentear.
Meu desejo é que você, líder coach, consiga desenvolver mês a mês sua equipe para transformá-la em um time de excelência e, para contribuir com isso, estou disponibilizando materiais em texto e vídeo para que você e seus colaboradores se reúnam uma vez a cada 30 dias e em cima dessas orientações, ensinem, aprendam, discutam ideias e se transformem.
 

Vamos começar?

Para ter uma gestão de pessoas eficiente, relações proveitosas no ambiente de trabalho, é preciso aproximar, questionar, provocar. Manter “a chama acesa”, o entusiasmo, a curiosidade, a vontade de querer estar naquele ambiente e compartilhar ideias.
Iniciaremos com uma parábola chamada “Construindo Pontes”. No vídeo abaixo eu conto porque ela é tão importante para ser debatida entre uma equipe, além de narrá-la. Vamos para nossa primeira sessão, líder?
 
[youtube v=”lFmF1sSrdhA”]  
Também preparei um material em texto que, além da parábola, também traz exercícios para serem realizados com seu time. São questionamentos com o objetivo de aproximar mais os colegas e levar harmonia, empatia e alegria para o ambiente de trabalho.
 
 
Quero receber o material
 
Depois de aplicar essa técnica com seus colaboradores, gostaria muito de receber o feedback, se deu resultado, se eles gostaram da dinâmica. Estou sempre aberta para a troca de ideias, para sugestões, críticas e dicas.
Como a parábola mesmo intui, eu quero muito construir pontes e saber que consegui levar mais alegria para seu trabalho, mais sucesso para sua profissão, me deixará muito feliz e realizada. Até o Coach Group de fevereiro!

o que um líder não deve fazer, mas faz?”

Jogo dos 7 erros: o que um líder não deve fazer, mas faz?

Certamente você conhece o Jogo dos 7 erros: uma tela com duas imagens parecidas e, enquanto uma é a correta, a outra possui apenas os ares da primeira.
Para encontrar as imperfeições da segunda não é tão fácil quanto se imagina. É preciso ter concentração, focar nos detalhes e manter a cabeça aberta, pois qualquer elemento – a mais ou a menos -, assim como o tempo de análise, são decisivos.
 
Talvez você não perceba, mas liderar exige técnicas muito semelhantes às desse jogo.
Um bom líder deve estar atento às imprecisões de suas escolhas e, para que essas imprecisões sejam identificadas diante da rotina, do estresse e de altas demandas, é importante olhar o que poucos veem. Pensar fora da caixa, ou melhor, fora do cenário habitual.
 
Existem várias formas de liderar uma equipe. Todos queremos uma receita 100% eficaz, mas enquanto não a descobrimos, organizar um tempinho na agenda para identificar o que deve ser melhorado no time é o primeiro passo para uma gestão bem-sucedida. E, como queremos facilitar seu dia a dia e ajudarmos em seu sucesso, listamos os  7 erros da liderança: o que um líder não deve fazer, mas faz:
 
1º erro – Falar uma coisa, fazer outra:
Integridade, uma palavra importante para estabelecer vínculos de confiança. Agir de acordo com as próprias convicções e ser coerente com seus atos e palavras é essencial para fortalecer a equipe. O discurso motiva, mas quando ele é praticado, os colaboradores além de motivados, se sentem seguros. Se um líder cobra determinado comportamento e não demostra esse mesmo no dia a dia, como ele vai conquistar o respeito, a credibilidade e o apoio dos funcionários?
 
2º erro – Não compartilhar conhecimento:
Como no Jogo dos 7 erros, imagine duas situações: na primeira você reúne seu time semanalmente, investe no conhecimento dele, em capacitações e no compartilhamento de experiências. Depois de fazer isso durante dois meses, percebe que os resultados estão cada vez melhores; seus funcionários trocam referências e querem aprender ainda mais.
Agora vamos para segunda situação: você não troca aprendizado, não investe em treinamentos e sua equipe está desmotivada. A produção estabiliza ou começa a cair, os melhores colaboradores pedem demissão. Descobriu o erro? Ensine e estimule seu grupo!
 
3º erro – Não explicar seus motivos:
É preciso explicar o porquê das decisões que você toma, ou porque a tarefa deve ser realizada de tal modo. Quando você conversa com o grupo, contextualiza, mostra os vários lados de uma situação, ele consegue compreender seu posicionamento e, mais uma vez, se sente seguro.
 
4º erro – Tratar todos os funcionários da mesma forma:
As pessoas são diferentes e conversar com elas da mesma maneira não é a melhor opção. Dentro da equipe o líder encontra pensamentos, preferências, emoções divergentes. É preciso identificar a melhor forma para encorajar, elogiar e criticar os colaboradores. Saber se comunicar e procurar entender as reações e a personalidade de cada um ajudará sua equipe a render mais.
 
5º erro – Não se preocupar com o desenvolvimento da equipe:
Você tem dado a atenção necessária para seus funcionários? Percebeu que algum deles trabalharia melhor em outra área? Acha que, se eles fizerem um treinamento, um curso, alguma dinâmica diferente, a produtividade aumentaria? É preciso ajudá-los no desenvolvimento profissional, a alçarem voos maiores dentro da empresa.
Além disso, cobranças excessivas e prazos apertados afetam o profissional; o estresse dificulta o aprendizado, a criatividade e o foco. Será que os deadlines estão adequados? Será que eles não estão sobrecarregados? Valorizar o profissional é um acerto, um super acerto.
 
6º erro – Não dar feedback:
Os feedbacks, de reconhecimento ou aprimoramento, são importantes para que o trabalho flua conforme o desejado. Ajudar sua equipe a evoluir, a ascender profissionalmente a partir de críticas construtivas não é a tarefa mais fácil, mas é essencial que os colaboradores transformem o “erro” em aprendizado e desenvolvimento. Quanto mais eles souberem se estão no caminho certo, melhor para ambos.
 
7º erro – Não ouvir:
Ouça sua equipe, confie na visão dela. Esteja disponível para escutar sua opinião, pensar em outras alternativas e buscar novos resultados. Quando seus funcionários percebem que têm essa abertura, se sentem importantes e à vontade para contribuir com ideias. Enquanto os escuta, reflita e procure falar no tempo certo.
 
E então, depois desse jogo, quantos erros você descobriu? Esperamos que o menor número possível e, se tiver algum ponto que você precise ajustar, o faça o quanto antes para melhorar, deixar seu time motivado, feliz e produtivo.

Fim do mistério: descubra por que 2016 é o ano da mudança

Mudar. Recomeçar. Renovar.

Três verbos de ação. Palavras poderosas que têm a capacidade de transformar vidas e  possibilitar conquistas; de fazer o bom ser ainda melhor.

Quando desejamos a mudança e nos preparamos para que ela aconteça, a renovação se dá do melhor modo possível. Nos traz paz, autoconhecimento, autoconfiança, felicidade e completude.