POST 18.03

Viva no presente – A importância de esvaziar a mente

As coisas acontecem muito rápido no mundo online, e isso vem refletindo no nosso dia a dia, afetando nossa paciência. Qualquer período de tempo parece ser tempo demais quando precisamos esperar, e tempo de menos quando precisamos produzir.

Temos as tarefas de casa, do trabalho, filhos, contas para pagar, coisas a serem resolvidas, questões de saúde e uma lista enorme de preocupações, prazos e metas. Com tudo isso para resolver, fica difícil focar no presente.

O futuro nos preocupa e o passado nos assombra

Não são apenas as preocupações com o futuro que invadem nossa mente e nos tiram o foco. Às vezes, é o passado que surge para nos atrapalhar com conflitos mal resolvidos, arrependimentos, lembranças ruins. Tudo aquilo que já aconteceu, não temos como mudar, e que deveria servir apenas como experiência e aprendizado.

Perdemos tempo pensando na falta de tempo

A preocupação exagerada com os prazos de entrega geram ansiedade, atrapalhando, atrasando ou até mesmo impedindo a realização dessas tarefas. Ficamos paralisados diante dessa preocupação com prazos, enquanto deveríamos estar realizando a tarefa a fim de terminá-la no tempo estipulado, e o que acontece no futuro é consequência do que fazemos no presente.

Como viver no presente?

Existe um exercício simples da neurociência que pode nos ajudar a conseguir deixar de lado o que já aconteceu e o que pode vir a acontecer, nos permitindo focar no agora. Esse exercício consiste em listar todas as tarefas que precisam ser feitas, depois organizá-las em ordem de urgência. Essa simples atividade ajuda a organizar os pensamentos e nos permite uma visão mais clara de nossas obrigações, tornando prazos e o número de tarefas menos assustadores. É importante observar também quais preocupações são desnecessárias, como quando nos preocupamos com coisas inevitáveis, das quais não há nada que podemos fazer para mudar a situação. Nesse caso, a preocupação causará apenas estresse, sem resultados positivos.

Exercício:

Primeiro pegue uma folha branca e esvazie a mente. Liste tudo aquilo que lhe incomoda, tudo mesmo, tanto profissional quando pessoal, tudo que te incomoda, lhe atrapalha e que tira a sua paz.

Após terminar a listagem, olhe pra esta lista e coloque em ordem de prioridade, numerando-as, não somente as mais urgentes as que trarão mais satisfação.

Depois, observe tudo que há na lista e verifique se você tem poder de mudar aquilo que lhe incomoda.

Por exemplo, “estou preocupado com alguém da minha família que está doente”, apesar de isto lhe preocupar não há como você mudar a saúde desta pessoa, “mas o que posso fazer para aliviar essa preocupação?” Bom, você pode fazer uma vídeo chamada, ligar para ela ou mandar uma mensagem de carinho.

Não adianta se preocupar com este tipo de situação, que não depende de nós, faça apenas aquilo que está dentro da sua alçada para aliviar a sua preocupação e se prevenir. Devemos focar naquilo que podemos resolver, onde somos os protagonistas, assumirmos essa auto responsabilidade e agir!

 

Em qual dos 5 ESTÁGIOS DA MUDANÇA você está?

Estamos vivendo, sem dúvida alguma, uma das maiores mudanças que já tivemos a oportunidade de experimentar.

Toda mudança passa, necessariamente, por 5 estágios e, dependendo da maturidade emocional que temos, passamos mais rapidamente – ou não – por essas fases.

Identifique em qual dos estágios abaixo você se encontra:

NEGAÇÃO: Sentimento de descrença. Por exemplo: “O quê? Trabalhar em casa? Nem pensar, isso não será necessário…Não deve ser nada sério?”;

RAIVA E LUTA: Sentimento de revolta, injustiça e/ou ira emocional. Por exemplo: “Estou com muita raiva de tudo isso, 2020 estava indo tão bem, porque logo agora?”;

NEGOCIAÇÃO: Momento de barganha interna ou externa. Por exemplo: “Até entendo que isso é sério, mas não vai acontecer comigo, sou jovem. Isso só acontece com idosos e entendi que não preciso mudar nada da minha rotina.”;

DEPRESSÃO | TRISTEZA | PARALISAÇÃO: Sensação de baixa de energia, tristeza e tédio. A pessoa fica paralisada temporariamente, sem saber o que fazer diante do novo cenário. Sente-se sem energia para a mudança. Por exemplo: “Estou muito triste, não consigo fazer mais nada além de pensar no que está acontecendo, não sei o que fazer, só tenho vontade de ficar na cama!”;

ACEITAÇÃO: Nesta fase começa, de forma racional, o processo de compreensão sobre a mudança. Conseguimos perceber com clareza que estamos vivenciando um problema complexo, no entanto começamos a entrar novamente em movimento. Começamos a criar estratégias para lidarmos com o novo cenário e criamos soluções. Por exemplo: “Eu tive uma ideia de um projeto que posso começar a fazer agora na minha empresa. Vou tirar do papel meu projeto que tinha colocado na gaveta há alguns anos. Vou tentar passar por essa fase com o máximo de saúde emocional, financeira e psicológica possível. O que tenho controle farei as intervenções e o que não tenho como mudar aceitarei sem ficar me pirando!”;


Toda mudança passa, necessariamente, por esses 5 estágios e sempre haverá o processo CONGELA – DESCONGELA – CONGELA.

Lembre-se, quanto mais rápido você tomar consciência destes estágios e ir para a aceitação de forma madura emocionalmente, mais rapidamente conseguirá se recompor e criar novos cenários, com as novas possibilidades.

Como diria Mario Sergio Cortella:

“Faça o seu melhor, na condição que você tem, enquanto você não tem condições melhores, para fazer melhor ainda!”

E aí, em qual destes estágios você se encontra neste momento?
Deixa nos comentários!

Confira também a entrevista exclusiva, que cedi à CBN, sobre os desafios que os líderes estão enfrentando neste momento complexo que estamos passando:

Listen to “Entrevista Vanusa Cardoso CBN 30mar” on Spreaker.

BLOG FINANÇA

Você gasta mais do que pode? Esse texto é pra você!

Você é daquelas pessoas viciadas em compras? Não pode ver uma promoção, que sai correndo para “aproveitar”? Comprar algo novo, principalmente quando está “abaixo do preço”, pode parecer algo imperdível, uma oportunidade única e às vezes adquirimos mesmo sem precisar do produto. Quem nunca pensou “talvez um dia eu precise disso”? Com os cartões de crédito e as lojas on-line, as compras estão, literalmente, sempre há um clique. Mais de 60 milhões de brasileiros têm dívidas que não conseguem pagar, e você não quer ser um deles, ou quer?

Você acredita que os cartões de crédito são facilitadores ou vilões?

Os cartões de crédito podem facilitar as nossas vidas, permitindo a compra de algo urgente sem ter o dinheiro necessário naquele momento, possibilitando dividir o valor em parcelas e facilitando a assinatura de serviços. Mas aquele modelo novo de celular e aquele colar lindo na promoção não são coisas urgentes, certo?

Geralmente, ao comprarmos com o cartão, temos a impressão de que não estamos realmente gastando nosso dinheiro. Isso acontece porque não vemos o valor em dinheiro sendo entregue no momento da compra, apenas no pagamento da fatura, um mês depois. O parcelamento também contribui com a ideia de que nossa dívida é menor do que ela realmente é. E não se engane, o dinheiro que você realmente pode gastar é diferente, e provavelmente muito menor, que o limite do seu cartão!

Aqui vai um desafio: faça as contas! Quanto você gastou em cartão de crédito no último mês? Anotou? Quanto, em porcentagem, esse valor representa do seu salário líquido? Depois de pagar o cartão, o aluguel, aquela dívida pendente, luz, água, quanto sobra para o seu lazer e investimentos no fim do mês? Ou você ainda não realiza investimentos e usa como o desculpa o fato de estar sem dinheiro, quando na verdade todo o seu dinheiro vai para parcelas do seu cartão de crédito? Cuidado! Você pode estar se autossabotando.

Não caia na armadilha das promoções

O fato de algo estar em promoção nos traz a ideia de que estamos diante de uma oportunidade única e imperdível de adquirir algo, mesmo quando não estamos precisando. Sendo ou não uma oportunidade única, se você não precisa, você não deveria querer!

Outro fenômeno das promoções é a impressão de que o novo preço é um valor pequeno, por causa da comparação com o preço antigo, mesmo que esse valor seja muito alto para o nosso bolso. Olhe os preços promocionais comparando com o que você pode pagar e não com o valor antigo.

Uma boa forma de evitar ter contato com promoções de produtos que não precisamos é descadastrando nosso e-mail da lista de promoções de lojas e desativando as notificações de aplicativos de compras no smartphone. Acesse os sites e apps de compras apenas quando surgir a necessidade real de adquirir um produto e vá direto ao que precisa, sem ficar passeando pela loja. Lembre-se que o objetivo da loja é vender!

Querer não é o mesmo que precisar

Antes de comprar um produto ou contratar um serviço, é bom analisar se aquilo é realmente necessário, ou se é apenas uma vontade momentânea ou até mesmo a influência de um bom vendedor. Outra dica é deixar a compra para um outro momento, quanto mais tempo esperamos para tomar a decisão final, melhor, pois evita a compra por impulso e garante tempo para perceber se realmente há a necessidade daquele produto ou serviço.

Ficar apenas reclamando da situação e não ir em busca de uma solução não vai fazer as contas diminuírem. É preciso força de vontade e determinação para mudar a situação. Não fique parado só observando todo o seu salário indo embora! Adquira educação financeira e perceba como a sua vida pode melhorar. Conheça o nosso novo curso “Líder Pleno” e descubra os benefícios de fazer o seu dinheiro trabalhar para você e os impactos que isso pode ter no seu dia-a-dia!

 

5 dicas

5 passos para uma boa gestão

Diversas empresas abrem e fecham diariamente e, muitas delas, vão a falência por conta de má administração. Para impedir isso e garantir o bom funcionamento da organização é fundamental rever a gestão do seu negócio. Preparamos cinco passos que podem te ajudar a ter uma gestão mais eficaz:

É preciso planejamento e organização

Esta é, sem dúvida, uma das etapas mais importantes. Um planejamento bem feito é essencial para que tudo funcione como esperado e da melhor maneira possível. É extremamente importante organizar a parte financeira, estrutural e de relacionamento entre os colaboradores.

Melhore a comunicação

A comunicação é parte fundamental para o bom relacionamento e desempenho de qualquer equipe. Por isso é importante saber falar de maneira clara e objetiva, atentando-se para a maneira que a mensagem foi recebida e certificando-se de que não restaram dúvidas.

Dar feedback é essencial para o crescimento dos colaboradores, para que cada um saiba o que está fazendo corretamente e em que precisa melhorar. Na hora de um feedback de melhoria, pergunte e tente compreender o que está causando o problema, com empatia e sem julgamento.

Crie objetivos e metas reais

Com objetivos claros é possível definir metas mais precisas, de acordo com o desempenho de cada equipe. Essas metas podem servir de motivação para que os colaboradores se dediquem com mais foco às tarefas e tornem-se mais produtivos. Metas exageradas geram ansiedade, estresse e cansaço, dificultando a conquista dos objetivos.

Seja líder, não chefe

Um bom líder pode fazer uma grande diferença no desempenho e produtividade de uma equipe. O líder deve servir de exemplo e trabalhar junto de sua equipe, sempre mostrando como as tarefas devem ser feitas, reforçando o que já está certo e corrigindo o que está errado.

Um líder despreparado pode desmotivar e, consequentemente, causar uma queda de desempenho em sua equipe. Um feedback feito a partir de um mal julgamento, por exemplo, pode causar estresse e até piorar ainda mais a situação.

Acompanhe a sua equipe de perto

Acompanhar o desempenho dos colaboradores, identificando as dificuldades e habilidades de cada um, é importante para o planejamento da distribuição de atividades de forma que a produção se torne mais otimizada. Também é preciso observar o desempenho de cada um para poder dar o feedback, ajudando no desenvolvimento do profissional.

Lembre-se: é preciso pensar a sua gestão para as pessoas que trabalham junto com você e não só para você. Ser um bom líder e ter uma boa gestão requer estudo, prática e, principalmente, empatia.

mundo vuca

Mundo VUCA: você sabe o que é?

O termo “Mundo VUCA” parece algo novo, mas é um cenário que diversas empresas e pessoas vivem há muito tempo. Essa realidade tende a se tornar ainda mais constante, ao passo de que a tecnologia evolui. O termo VUCA nasceu do acrônimo das palavras em inglês Volatility, Uncertainty, Complexity e Ambiguity (em português: volatilidade, incerteza, complexidade e
ambiguidade, respectivamente). Na década de 90, no ambiente militar, o U.S. Army War College usou esse conceito para explicar o mundo pós Guerra Fria.

A ideia de um “Mundo VUCA”, nada mais é do que previsibilidade nos planejamentos, que permite a pré-leitura de fatos que podem acontecer ao longo do processo. Projetar cenários a longo prazo e conseguir soluções para eles, é o sonho de diversos líderes, grandes empresas e pessoas em geral.

Com a velocidade que as coisas evoluem, cometemos o erro de não nos planejarmos e isso pode interferir negativamente quando o assunto é vida pessoal ou profissional.

Volatilidade

O termo, dentro da sigla, refere-se à velocidade com que as mudanças ocorrem, fazendo com que a capacidade para se adequar a elas reduza.

Para vencer a volatilidade é preciso ser resiliente, à fim de encontrar alternativas de enfrentar dificuldades que possam surgir ao longo do processo.

Incerteza

Quando você não consegue prever uma situação ou um cenário, acaba tendo dificuldades na hora de buscar novas soluções que poderiam ser aplicadas para solucionar um determinado problema.

A maneira mais fácil de vencer a incerteza é sendo flexível. Saber se adaptar aos cenários que podem surgir – ainda que turbulentos – faz com que se mantenha a estabilidade dentro de uma situação que, para muitos, pode parecer extremamente desafiadora e amedrontadora.

Complexidade

Quanto mais ampla for a visão e quanto mais você enxergar o “todo”, maior também será a probabilidade de você encontrar soluções eficazes e rápidas.

Ser multidisciplinar permite que você tenha uma visão abrangente, fazendo com que você encontre soluções eficientes e rápidas para diversos cenários. A multidisciplinaridade é a melhor solução para vencer a complexidade.

Ambiguidade

Ser ambíguo, nada mais é do que a falta de clareza e concretude em determinados momentos, fazendo com que haja uma interpretação dúbia dos fatos. A consequência disso, sem dúvida, é a dificuldade de achar soluções direcionadas.

Ao passo de que você precisa “prever” e “precaver”, no mundo VUCA é preciso tomar decisões rápidas – ainda mais se tratando de cenários com ambiguidade. Embora você possa acabar caindo em ciladas e optando por caminhos falhos, o erro que vem rápido poderá permitir a mudança ágil dentro de um cenário, proporcionando uma melhor adaptação no mundo VUCA.

Qual é a melhor maneira de organizações se prepararem para um contexto VUCA?

Quando falamos de empresas, é preciso criar um caminho que permita integração, compartilhamento e geração de novos conhecimentos. Ter uma gestão eficaz, que permite olhar o futuro com mais clareza, certeza e com mais resultados positivos motiva a equipe.

Encontrar habilidades nos gestores, gerar um ambiente inovador e sem medo de correr riscos: esse é o segredo do sucesso de grandes impérios e o que está por trás das grandes vitórias revolucionárias.

Líder, você já colocou um colaborador na geladeira?

Vamos lá a este artigo provocativo, polêmico e importantíssimo para você líder!

 
Líder, colocar um colaborador na geladeira é FINGIR que está tudo bem, quando na verdade você não acredita mais nele, não delega mais nenhum projeto desafiador, não o quer mais em seu time e está só “dando um tempo” para demiti-lo, por não ter coragem ou pela a famosa e “falsa economia”.

O que é SER um líder coach?

O que é SER um líder coach?

O que é SER um líder coach?

 
Não é por acaso que no título a palavra SER está em letra maiúscula. Um líder coach é necessariamente uma pessoa que investe no seu SER, no seu autoconhecimento.
Um líder coach vai muito além da técnica e teorias aprendidas. Ele potencializa, desenvolve, transforma, faz eco e acende brasas nas pessoas!
Para que ele consiga fazer tudo isso com o outro, primeiro precisa fazer consigo mesmo, ou seja, antes de ser líder do outro preciso primeiro liderar a mim mesma, ser uma “líder de si”.
Antes de liderar bem uma equipe preciso primeiro liderar minha família, minha vida. Essa é a lógica, o processo se dá de dentro para fora.

Afinal líder, elogiar as pessoas da sua equipe estraga ou não?

Afinal líder, elogiar as pessoas da sua equipe estraga ou não?

Afinal líder, elogiar as pessoas da sua equipe estraga ou não?
 
Com frequência nos grupos de PDL Coach os líderes me questionam sobre este tema e por isso decidi escrever para quebrarmos aqui alguns paradigmas e crenças limitantes!
 
A resposta a pergunta é:

NÃO, não estraga, muito pelo contrário. Elogiar potencializa, empodera, faz com que seu colaborador se sinta capaz e queira repetir o que fez de correto para lhe surpreender positivamente mais uma vez.

 
No entanto, se o mesmo for realizado sem técnica, pode ser ineficaz, gerando assim a crença negativa de que elogiar estraga. E é por isso que o paradigma “elogiar estraga” existe e muitas vezes está cristalizado no comportamento de muitos líderes. 
Essas técnicas e reflexões poderão ser aplicadas com sua equipe e também na sua vida pessoal, inclusive com seus filhos.
 

Aprendendo a técnica: COMO E QUANDO você líder deve elogiar?

 
 

blog_vanusacardoso_tecnicas_fortalecer_time

Você é um líder e busca técnicas para fortalecer seu time?

Se a resposta for SIM mergulhe conosco nestes conteúdos que preparamos para você dando o nosso melhor!

Compartilhamos aqui 8 sessões gratuitas (vídeos e e-books) com ferramentas de coaching para você aplicar com seu time.

O que você irá encontrar nestas sessões:

 

Sessão 1 – construindo pontes

Quando é indicado aplicar essa técnica?

  • quando o líder está com conflitos no time (entre duas ou mais pessoas);
  • quando o líder necessita fortalecer os vínculos do grupo;

Aprender essa técnica
 

Sessão 2 – três peneiras

Quando é indicado aplicar essa técnica?

  • quando existe fofoca no grupo;
  • quando a comunicação não está fluindo;

Aprender essa técnica
 

Sessão 3 – atendimento ao cliente

Quando é indicado aplicar essa técnica?

  • quando não existe padrão de atendimento ao cliente;
  • quando a empresa necessita refinar seu atendimento;

Aprender essa técnica
 

Sessão 4 – o pequeno bombeiro

Quando é indicado aplicar essa técnica?

  • quando precisamos estimular as pessoas a darem o “seu melhor”, fazer o seu “a mais”;
  • quando o clima da empresa está frio e as pessoas estão desconectadas;

Aprender essa técnica
 

Sessão 5 – você tem atitude?

Quando é indicado aplicar essa técnica?

  • quando o líder precisa estimular as pessoas a fazer TBC “tirar a bunda da cadeira”;
  • quando existe comparação de salários e as pessoas não percebem que estão acomodadas;

Aprender essa técnica
 

Sessão 6 – vamos abrir janelas?

Quando é indicado aplicar essa técnica?

  • quando o líder necessita integrar o time e ampliar o nível de autoconhecimento;
  • quando existe alto nível de julgamento por não conhecerem uns aos outros;

Aprender essa técnica
 

Sessão 7 – o monge e a vaquinha

Quando é indicado aplicar essa técnica?

  • quando é preciso internalizar o “poder da crise”;
  • quando se quer estimular as pessoas a saírem da zona de conforto;

Aprender essa técnica
 

Sessão 8 – a roda da vida

Quando é indicado aplicar essa técnica?

  • quando o líder quer provocar reflexões sobre a importância do equilíbrio nas diversas áreas da vida.

Aprender essa técnica
 
 

Acessar – 8 sessões gratuitas

 

Compartilhe conosco os resultados que você obteve com essas técnicas! 

Vamos adorar celebrar com você!

 

Um abraço coach,

Vanusa Cardoso.

Psicóloga, Master coach e especialista em processos grupais.