post-thumb-dicas-de-autodesenvolvimento-e-carreira

Como aprimorar seu autodesenvolvimento e crescer na carreira?

A partir de qual lente você tem olhado para sua carreira e sua vida? Winston Churchill, político e escritor britânico, afirmava que “O pessimista vê dificuldade em cada oportunidade; o otimista vê oportunidade em cada dificuldade”.

Em qual dessas coisas você tem focado? Nos obstáculos ou nas chances?

Para quem deseja ter sucesso, é fundamental desenvolver uma mentalidade otimista e pronta para lidar com os desafios de maneira construtiva. Afinal de contas, desenvolvimento pessoal e profissional andam lado a lado.

Pensando nisso, apresentamos, a seguir, algumas dicas para você aprimorar seu autodesenvolvimento e ter crescimento na sua carreira. Confira:

Invista em autoconhecimento

“Quanto mais me conheço, mais me curo e me potencializo”. Já diria José Roberto Marques, presidente do IBC. Pare e pense: numa escala de 0 a 10, o quanto você tem investindo em seu autoconhecimento?

Pequenos hábitos, como reservar alguns minutos do dia para refletir sobre as atitudes que teve, podem fazer toda a diferença. Quais ações foram positivas e convergem com seu propósito? E quais não?

Outra sugestão é pedir o feedback de pessoas em quem confia. Pergunte a elas qual a opinião a respeito da sua conduta.

Mais uma dica: invista em processos de psicoterapia, coaching, reiki ou
massagem relaxante, meditação, essenciais para que mente, corpo e psiquê se mantenham saudáveis.

Também busque ferramentas científicas que ajudem você a ter mais clareza sobre seu potencial como exemplo o Extended DISC.

 

Saiba administrar o tempo

Para potencializar seu tempo é fundamental ser seletivo nas tarefas que realiza ao longo do dia.

Também é importante se apropriar de uma ferramenta simples e poderosa: a agenda. Por meio dela você se tornará mais organizado e eficiente.

No entanto, atenção: para tal, é fundamental utilizá-la SEMPRE, tanto para compromissos pessoais quanto profissionais. O que nos leva ao próximo tópico:

Tenha disciplina

21 dias. Esse é o tempo necessário para modificar um hábito simples. Se utilize disso como vantagem estratégica. Liste todos os padrões que gostaria de mudar e estabeleça o desafio de fazer isso rigorosamente por esse período de 21 dias.

A disciplina é indispensável para não perdermos o foco. Portanto, dê a si mesmo os comandos certos para você e cumpra!

Mantenha-se motivado

Você necessita de estímulos externos para fazer algo ou é uma pessoa que se automotiva?

Identifique o que realmente deixa você entusiasmado. Para tanto,  analise sua trajetória profissional e acadêmica e tente perceber quando e porque você foi mais feliz.

Também detecte as interferências, sejam internas ou externas, que roubam sua energia e empenho. Após isso, busque resolver tais interferências, assim conseguirá manter-se mais firme nos seus objetivos e sonhos.

Quer mais dicas? Prepararmos com todo carinho um e-book para você,  é gratuito!

E então? Gostou das dicas? Para ter acesso a muitas outras estratégias de aprimoramento pessoal e profissional baixe gratuitamente o nosso e-book Dicas de Autodesenvolvimento e Carreira.

Além dos tópicos aqui citados, abordamos outras habilidades como criatividade, liderança, comunicação, gestão de pessoas, e muitas outras. Até a próxima!

Comunicação Não-Violenta

Como praticar a Comunicação Não-Violenta?

A maior parte dos conflitos que temos com outras pessoas, seja em ambientes pessoais ou corporativos, é causado não propriamente pela divergência de opiniões, e sim pela forma como expomos nossas ideias.

Porém, quando nos propomos a falar sem julgamento e escutar genuinamente na essência, temos a oportunidade ímpar de vivenciar relacionamentos mais saudáveis.

Tendo isso em vista, o psicólogo Marshall Rosenberg desenvolveu o conceito de Comunicação Não-Violenta (CNV) com o intuito de estimular as pessoas a construírem relações mais empáticas. Neste post explicamos um pouco mais sobre esse método e damos dicas, com base nas quatro etapas da Comunicação Não-Violenta, de como criar relações mais pacíficas. Confira a seguir:

Afinal, o que é Comunicação Não-Violenta?

Esse conceito parte do pressuposto de que, embora desejemos a harmonia e a cooperação, o confronto com familiares, colegas de profissão e demais pessoas com opiniões ou culturas diferentes da nossa, nos induz a reações repetitivas e automáticas que perpetuam ciclos de emoções dolorosas. Raiva, punição, vergonha e culpa são alguns dos sentimentos que fazem parte dessa lógica comportamental.

Diante disso, a Comunicação Não-Violenta se baseia em habilidades de linguagem que reforçam a conexão do indivíduo com suas necessidades profundas, para que o mesmo possa deixar claro para o outro o que deseja e
desse modo seja capaz de estabelecer um diálogo mais assertivo.

Caso queira tornar-se mais consciente em suas respostas, continue a leitura e descubra como praticar a Comunicação Não-Violenta.

 

1. Observe de maneira descritiva e não julgadora

Há uma sutil diferença entre afirmar e julgar. O primeiro verbo se refere a uma descrição de fatos sem generalizações ou exageros linguísticos como “sempre”, “nunca”; e “jamais”. Já a segunda palavra está carregada de adjetivos que transformam um retrato particular sobre alguém numa história taxativa e geralmente parte de um ponto de vista arbitrário.

Por exemplo, a frase “Puxa vida, você nunca participa das confraternizações da empresa” tem um tom julgador, ao passo que, ao dizer “Puxa vida, você só veio duas vezes esse ano nas confraternizações. Sentimos saudade da sua presença!”, o gestor está praticando uma Comunicação Não-Violenta, pois ao invés de criticar o comportamento do colaborador está exprimindo sentimentos e estimulando o funcionário a participar das próximas celebrações.

Em outras palavras, evite fazer julgamentos, pois isso cria uma reação defensiva e exercite sua mente para que, cada vez mais, você seja capaz de expressar-se com compaixão.

 

2. Afirme o sentimento que a observação lhe desperta

Experimente nomear as suas emoções, isso faz com que o outro compreenda com mais facilidade o que você está sentindo. Tem enfrentando problemas de convivência com algum colega de trabalho? Diante de circunstâncias assim, a maioria de nós é impelido a fazer acusações e questionamentos.

Ao invés de assumir uma postura inquisitiva e propensa a interrogações tais como: “Por que você não fala comigo? Por acaso te fiz alguma coisa?”, treine identificar quais sensações essa situação lhe desperta, chame o colega para conversar e expresse seus sentimentos. Uma boa maneira de iniciar o diálogo seria: “Notei que temos conversado muito pouco (observação). Estou preocupado com isso”. Esse tom propicia a conexão entre os interlocutores e estimula ambos a buscarem um espírito de respeito mútuo e cooperação.

 

3. Fale dos desejos e necessidades que trazem esses sentimentos à tona

Ao compreender os seus sentimentos, você pode encontrar as necessidades e desejos por trás deles. Fazer declarações a respeito disso o ajudará a ter clareza sobre o que ocorre no seu coração ou no do outro no instante da
conversa.

Ao enfrentar um conflito no trabalho, uma pessoa que ainda está imersa no modo de se comunicar julgador diria: “Por que você vira a cara quando eu passo?”. Consegue notar a agressividade e estímulo ao confronto? Outro caminho mais conciliador seria utilizar as seguintes palavras: “Vejo que você afasta o olhar enquanto falo e anda falando tão baixo que mal posso escutá-lo (observação). Me sinto desconfortável (sentimento), pois preciso de um pouco de contato agora”. Bem melhor, não é mesmo?

 

4. Faça um pedido concreto para que a ação encontre a necessidade identificada

Por fim, peça de maneira clara e específica para a pessoa fazer algo concreto que irá satisfazer o desejo ou necessidade que acabou de identificar.

Um exemplo: ao invés de dizer “não quero que grite”, seria mais efetivo pedir que “fale num tom mais baixo”.

Para que o pedido não tenha um tom de exigência, permita que a outra pessoa diga não ou proponha alternativas.

E caso necessite de ajuda para se comunicar melhor (clique aqui), conte conosco. Teremos muito prazer em lhe ajudar a conectar-se melhor com os outros ao seu redor.

arquetipos

Pai, adulto ou criança: em qual arquétipo você está vibrando, líder?

Pai, adulto ou criança: em qual arquétipo você está vibrando, líder?
Um líder precisa enfrentar muitos desafios ao conduzir sua equipe; mas esses desafios são ainda maiores quando ele lidera a si. Um bom profissional aprende com seus erros, acertos e com seus medos. Ao se conhecer, descobrir quais são seus pontos fortes e quais são suas sombras – pontos a serem melhorados – ele se dispõe a evoluir cada vez mais.
Costumo dizer que antes de liderar o outro, precisamos liderar a nós mesmos. E talvez você esteja se perguntando: – Mas como isso é possível? Como ser um “líder de si”?
Simples: investindo no autoconhecimento.
 
Alguns testes são essenciais para que essa autodescoberta seja assertiva e traga bons resultados. O Extended Disc é um deles. A ferramenta permite se descobrir a partir dos níveis de Dominância, Influência, Estabilidade e Conformidade – DISC. Dessa forma encontramos soluções para muitos de nossos questionamentos internos, percebemos quais atitudes funcionam e quais devemos deixar para trás.
Quando você se conhece, se “cura”, compreende o porquê de muitas de suas ações, quem você é agora e o que precisa fazer para ser quem deseja. Pessoas que convivem bem consigo respeitam sua própria essência e agem com mais coerência, de acordo com seu talento e suas habilidades, focando sempre em suas características positivas.
Os resultados desse processo? Extremamente positivos. Mais equilíbrio, satisfação, consciência, empatia, energia focada no que de fato é importante.
Existem outras formas de exercitar o autoconhecimento, uma delas, a qual explico um pouco mais, é a Análise Transacional (AT), teoria de psicologia criada e desenvolvida pelo psiquiatra Eric Berne.
Berne identificou que cada indivíduo tem três partes distintas e funcionais, os Estados de Ego – que consistem em um sistema de emoções e pensamentos, acompanhados por um conjunto afim de padrões de conduta. Explicando de forma simples e direta, basicamente o pesquisador dividiu a personalidade em três componentes: Pai, Adulto e Criança.
Os três Estados de Ego podem ser comparados a três pessoas diferentes, que atuam e interagem dentro de nossa mente. Ao nos relacionarmos com os demais atuamos em um desses três estados. O Pai pode ser identificado como o conceito ensinado de vida. O Adulto é o conceito pensado e a Criança é o conceito sentido.
Ao explicar cada um desses arquétipos convido-o a refletir sobre qual deles você está vibrando neste momento. Peço que preste atenção em cada um e identifique suas atitudes. Você tem sido um “líder pai”, um “líder adulto” ou um “líder criança”?
 

Pai

O Pai está relacionado ao que vivenciamos em nossa infância, nossas condutas, pensamentos e sentimentos dos pais ou responsáveis; assim como de professores, babás e até mesmo de mensagens vindas da televisão ou do rádio.
Se pararmos para refletir, o que faz um pai, uma mãe? Eles protegem, alimentam, educam, ensinam a viver em sociedade, moralizam e servem como um exemplo. O psiquiatra ainda dividiu o arquétipo em: Pai Crítico, Pai Protetor e Pai Bruxo.
O Crítico é aquele que impõe normas rígidas, de maneira severa e impositiva. Ele julga, moraliza, institui o que deve ser feito e também é tido como o “dono da verdade”. Braços cruzados, dedo acusador e olhar severo são características físicas presentes nesse perfil.
Já o Protetor, também conhecido como Nutritivo, não tem postura impositiva, ele permite que o outro cresça e desenvolva sua própria individualidade. A gratificação é um ponto intrínseco a ele. Braço no ombro, sorriso compreensivo e acariciar a cabeça são atos recorrentes. Algumas frases como “Confio em você”; “Você errou, mas não importa, errar é humano”, compõem sua personalidade.
O Bruxo ou Papão, possui traços como temor, ansiedade, depressão e confusão. Ele acaba potencializando esses fatores negativos nos demais. Sabe quando o irmão mais velho conta uma história de terror, deixando o mais novo com medo? Assim funciona o Pai Bruxo, desperta medo, causa desconforto.
E então, líder, será que você está vibrando em um deles? Um líder Pai Crítico impõe regras, não está aberto para ouvir as soluções dos colaboradores. Aponta os erros e não se preocupa em ajudar na evolução do profissional.
O Pai Protetor faz de tudo para cuidar e proteger o time. Ele pode até “passar a mão na cabeça”, suportar uma situação quando deveria conversar e falar a verdade para o funcionário. Já o Pai Bruxo é capaz de manipular uma situação para se beneficiar, possui comportamentos conhecidos como “líder autocrata”.
Age de forma indireta – na frente está tudo bem, mas quando o colaborador vira as costas, o contrário aparece.
 

Adulto

Essa parte do Ego é conhecida por raciocinar de forma objetiva, o adulto analisa a realidade e decide o que é adequado e inadequado. Apresenta maturidade emocional; não tem medo de dizer não, nem de elogiar quando percebe que é merecido. Ele também sabe dar e receber feedback.
Para vibrar nesse arquétipo um líder precisa exercitar a consciência, a espontaneidade. Ele tem que estar sempre disposto a se atualizar e a investir no autodesenvolvimento.
O Adulto capta as informações externas, pensa em cima delas e consegue responder de forma adequada, sempre com verdade.
 

Criança

O arquétipo Criança representa nossas emoções: amor, alegria, prazer, raiva, medo, tristeza e tudo o que tenha a ver com nosso corpo. Ela nos permite fluir, sentir, criar e intuir. Esse é o traço mais autêntico e, ao mesmo tempo, o mais reprimido pela educação e pelo processo de socialização. Berne também divide esse Estado em três componentes: Criança Livre, Pequeno Professor e Criança Adaptada.
A Livre tem relação com a nossa procura pelo agradável e pela fuga do desagradável, é regida pelo “Princípio do Prazer”. É movida pelo instinto, é irracional e atemporal. Vive no próprio ritmo e nos permite ser espontâneo e aproveitar a vida.
Na Pequeno Professor, Berne percebeu a habilidade que as crianças possuem em criar empatia. Nesse caso o perfil procura obter carícia, processando as informações e tomando decisões de forma pré-lógica e inconsciente para o adulto.
A criatividade, curiosidade, empatia, astúcia e vivacidade são presentes nessa ramificação do arquétipo. Sabe quando você tem uma ideia incrível? É à Criança Pequeno Professor que está recorrendo.
Já a Criança Adaptada é a que modifica sua conduta sob a influência do Pai, se comporta de acordo com o que ele programou. Ela se subdivide em: Criança submissa, obedecendo as ordens e expectativas de seus pais sem questioná-los e, Criança Rebelde, que já faz o contrário, agindo totalmente diferente do que ordenaram.
Resumindo: a Submissa obedece ordens, a Rebelde age diferente do esperado, a Livre faz o que deseja, de forma espontânea e, a Pequeno Professor é criativa.
 
Todos esses arquétipos têm seu lado positivo e negativo. Nós, enquanto líderes, dentro de nossa rotina no trabalho, até mesmo em nossos relacionamentos pessoais agimos de acordo com um deles.
Como falei, acredito que um bom profissional é aquele que procura pelo autoconhecimento, que não tem medo de descobrir suas fraquezas e fortalezas para evoluir e saber como agir com os demais. Na tabela abaixo você, líder, conseguirá identificar Luz e Sombras desses perfis:
 

PAI, ADULTO E CRIANÇA – Luz e Sombras
Pai Crítico Positivo: orientado, protetor, direto, firme e justo
Pai Crítico Negativo: perseguidor, agressivo, autoritário, humilhante, preconceituoso e moralizador compulsivo
Pai Protetor Positivo: permissivo, afetuoso, protetor, ensinando sem imposição
Pai Protetor Negativo: salvador, superprotetor e meloso, que impede o crescimento
Adulto Positivo: racional, lógico, objetivo, ético, atuando com simpatia no aqui-agora
Adulto Negativo: manipulador que planeja apenas para proveito próprio ou visando a destruição do outro
Criança Adaptada Positiva: disciplinada e responde automaticamente em situações de rotina, permitindo a economia de tempo e esforço e se adaptando às normas sociais, possibilitando a convivência na sociedade
Criança Adaptada Negativa: repete condutas destrutivas da infância; quando Submissa é cheia de temores, ansiedade, confusão, angústia e oposição, sistemática, ressentimento, desconfiança, indignação e ódio, buscando um Perseguidor
Criança Livre Positiva: espontânea, natural afetuosa, que desfruta, ama, é criativa, curiosa e intuitiva
Criança Livre Negativa: Negativa é egoísta, bagunceira, impetuosa e ruidosa

 
Agora ficou mais fácil de analisar, não é mesmo? O objetivo da Análise Transacional é levar o indivíduo do circuito negativo para o positivo. Pelo inconsciente o Ego Pai se atualiza e se adéqua à realidade, largando mão de seus modelos inadequados e destrutivos.
O Adulto se fortalece com informações que visam a conscientização para que ele seja o executivo da personalidade. Já a Criança, tendo o apoio do Pai Protetor e a lógica do Adulto, é estimulada a se libertar de gravações e decisões irracionais e destrutivas.
Será que você tem sido um líder que cobra demais? Será que tem cobrado menos e acobertado erros de seus colaboradores? Protegendo muito? Será que está tendo equilíbrio ao liderar seu time? Tem agido de forma irracional, “mimada”, quando algo não sai como você quer?
O perfil ideal que um bom gestor deve ter é o de um Adulto seguro, consciente, responsável. Uma Criança motivada, criativa, intuitiva e um Pai potente, direto e justo. Dessa forma, tanto ele quanto sua equipe poderão evoluir. Se ele não identificar seus pontos negativos, corre o risco de deixar todo o time vibrar no arquétipo criança – na forma negativa dele.
A causa e o efeito ideal se dá por meio de uma relação sadia, com verdade, empatia, segurança e integridade; com muito feedback para que todos vibrem no mecanismo Adulto e cresçam em conjunto.
 
Você identificou o que precisa mudar, líder? Se sim, comece agora.
Boa sorte e conte comigo!

08-blog

7 lições que aprendemos com o filme Walt antes de Mickey

Se você pode sonhar, pode fazer.
– Walt Disney

Acredito muito na capacidade de sonhar e realizar, por isso Walt Disney é uma referência tão forte em minha vida. Os sonhos nos movem e, se não nos agarramos a eles, perdemos nossa essência.
Mesmo diante das dificuldades, quando tudo e todos parecem não acreditar, é preciso buscar força de si mesmo para tornar realidade aquilo que tanto deseja – e foi o que Walter fez.

As circunstâncias do cotidiano podiam tentar derrubá-lo, mas sua fé era maior. Ele passou a não ouvir as vozes negativas e abriu seu coração para o que estava por vir; se apegou a ideia de que tudo daria certo e acreditou. O resultado?
Um mundo dedicado aos sonhos e a realização dos mesmos. Mesmo depois de sua partida, o “pai” do Mickey continua a influenciar nossos desejos, nossa imaginação, de crianças a adultos, fazendo a mágica acontecer.
O filme Walt antes de Mickey, nos conta um pouco da vida desse ícone e como ele chegou onde chegou. Dirigido Khoa Lê, o longa nos traz lições importantíssimas sobre decisões que precisamos tomar, dificuldades e sucesso. Confira algumas delas:

Invista em seu talento:

Walt desenhava desde criança e usava as paredes do celeiro do pai como cenário. Seu pai, obviamente, não ficava muito feliz com isso e achava que o menino deveria parar de rabiscar. Disney gostava de desenhar animais e, foi apostando nesse talento anos mais tarde, que criou um dos personagens mais carismáticos e conhecidos do mundo: Mickey Mouse. Viu por que vale a pena levar em consideração as habilidades desenvolvidas na infância? 🙂

Seja honesto sempre:

Elias Disney, pai de Walt, mostrou ao filho a importância da honestidade e como uma boa reputação poderia abrir portas. Foi com ele que o animador aprendeu a assumir riscos e a persistir – características importantes para investir no que deseja e correr atrás. Quando somos honestos conosco, temos noção das dificuldades que iremos enfrentar, mas se percebermos que mesmo diante de tudo, aquilo for importante, vale a pena o risco.

Encontre e se alie a pessoas com
os mesmos objetivos que os seus:

Durante o filme, Walt passa a encontrar pessoas que possuem características semelhantes às dele e se alia a elas. Se não fossem seus amigos, também habilidosos e conhecedores das artes, com força de vontade e esperançosos, talvez hoje não existissem os cartoons inspiradores de Disney. Sim, a unição faz a força!

A oportunidade pode se
esconder na dificuldade:

Disney foi demitido de seu primeiro emprego, mas ele não desistiu. Foi depois disso que resolveu investir no Laugh-O-gram – que também não deu muito certo, mas foi uma experiência essencial para que o jovem aprendesse que continuasse a investir em suas ideias. No longa há um momento em que o empreendedor perde todos os direitos sobre suas criações. Mas ele desiste? Não. Ele continua e, ainda mais forte do que antes.

Concorrentes são importantes
para nos levar ao crescimento

Há uma frase de Walt que se encaixa muito bem no fator concorrência: Eu já enfrentei os piores competidores em minha vida. Não sei o que seria de mim sem eles.
Diante de um mercado pequeno e concorrido, quem ganha são os clientes. Disney não encarava a competição como algo ruim. Por causa de seus concorrentes descobriu que as crianças eram um bom nicho e, mesmo com outras empresas também investindo no mesmo segmento, ele não se assustava com a “disputa”. Para o produtor, essa seria uma forma de ele sempre inovar e dar o seu melhor.

Seja humano:

Mesmo desenhando animais, seus personagens tinham características humanas, que aproximavam as pessoas e criavam uma espécie de empatia. Walt Disney sempre acreditou que o trabalho era uma ferramenta. Atrás do empreendedor, do sonhador, havia uma pessoa. Ele via seus clientes como pessoas e não números, por isso buscava sempre valorizá-los e motivá-los, a entender suas necessidades e atendê-las de uma forma diferente. Só assim eles comprariam seu produto.
Quando as pessoas riem do Mickey Mouse é porque ele é tão humano; e esse é o segredo de sua popularidade.

Não desista dos seus sonhos:

Assim, como Walt, você pode sim correr atrás do que deseja e acredita.
Qual é o seu sonho? O que você deseja para sua vida? Como você se enxerga daqui a cinco, 10, 15 anos?
Disney achava que seu propósito era levar a arte e a alegria para o mundo todo – tanto é que lutou muito, enfrentou tudo e conseguiu. Inspire-se e faça o que for necessário para seguir em frente e realizar tudo o que é importante para você e para os demais.

03

Coach Group – Janeiro 2016

Janeiro é um mês importante para refletirmos sobre o que queremos ao longo do ano.
Quem acompanhou minhas redes sociais percebeu que também tirei os primeiros dias de 2016 para me renovar e, como você faz parte desse processo de transformação e estou muito grata com isso, hoje, no último dia do mês, gostaria de lhe presentear.
Meu desejo é que você, líder coach, consiga desenvolver mês a mês sua equipe para transformá-la em um time de excelência e, para contribuir com isso, estou disponibilizando materiais em texto e vídeo para que você e seus colaboradores se reúnam uma vez a cada 30 dias e em cima dessas orientações, ensinem, aprendam, discutam ideias e se transformem.
 

Vamos começar?

Para ter uma gestão de pessoas eficiente, relações proveitosas no ambiente de trabalho, é preciso aproximar, questionar, provocar. Manter “a chama acesa”, o entusiasmo, a curiosidade, a vontade de querer estar naquele ambiente e compartilhar ideias.
Iniciaremos com uma parábola chamada “Construindo Pontes”. No vídeo abaixo eu conto porque ela é tão importante para ser debatida entre uma equipe, além de narrá-la. Vamos para nossa primeira sessão, líder?
 
[youtube v=”lFmF1sSrdhA”]  
Também preparei um material em texto que, além da parábola, também traz exercícios para serem realizados com seu time. São questionamentos com o objetivo de aproximar mais os colegas e levar harmonia, empatia e alegria para o ambiente de trabalho.
 
 
Quero receber o material
 
Depois de aplicar essa técnica com seus colaboradores, gostaria muito de receber o feedback, se deu resultado, se eles gostaram da dinâmica. Estou sempre aberta para a troca de ideias, para sugestões, críticas e dicas.
Como a parábola mesmo intui, eu quero muito construir pontes e saber que consegui levar mais alegria para seu trabalho, mais sucesso para sua profissão, me deixará muito feliz e realizada. Até o Coach Group de fevereiro!