comunicacao-nas-empresas-um-guia-completo-e-pratico

Comunicação nas empresas: um guia completo e prático

Rádio peão, ruídos e conflitos são apenas alguns dos indicadores de que a comunicação nas empresas vai de mal a pior. Dada a relevância deste assunto, resolvi fazer um guia completo trazendo a tona questões relevantes sobre comunicação organizacional.

De acordo com uma pesquisa realizada pelo Project Management Institute, 64% das empresas brasileiras sofrem com problemas na comunicação. Essa realidade pesarosa nem precisa ser pesquisada, pois basta uma visita nas empresas para perceber que as falhas de comunicação estão por toda parte, desde os avisos mais básicos até os objetivos estratégicos mal alinhados.

A boa notícia é que tal realidade pode ser mudada e exponencialmente melhorada por meio de conhecimentos, métodos e engajamento de equipe.

Sabendo dessa condição, preparei um guia completo sobre comunicação nas empresas. Se você deseja saber mais sobre o assunto, bem como descobrir as formas de melhorar a comunicação com a sua equipe, siga com a leitura até o final.

Ao avançar com a leitura você terá plenas condições de avaliar, entender e desenvolver a comunicação dentro da sua empresa ou do ambiente em que trabalha.

Vamos lá?

Comunicação nas empresas: o que é e como acontece

Comunicar-se é uma ação antiga, assim como, são antigos os problemas relacionados a ela. Contudo, essa é uma necessidade básica proveniente de um processo que precisa ser entendido para que aconteça com o sucesso desejado.

Em sua essência, a comunicação envolve a troca de informações entre dois ou mais indivíduos por meio de linguagens, sinais, gestos ou elementos que sejam entendidos pelas partes.

É preciso que exista o entendimento dos elementos que transmitem as mensagens para que o processo de comunicação tenha sucesso, ou seja, que a mensagem chegue no destino de forma clara e objetiva.

Por mais que este seja um processo extremamente primitivo é muito fácil gerar interpretações equivocadas que acabam, muitas vezes, causando problemas sérios dentro das empresas, como desmotivação, brigas, falta de objetividade, improdutividade e entre outros.

Sendo assim, este processo que é comum na sociedade, tem uma forte relevância dentro das organizações. 

A comunicação nas empresas não foge à regra quando se fala em autoconhecimento, inteligência emocional e melhoria contínua.

Leia mais: O líder do futuro faz eco na vida das pessoas

A estrutura da comunicação organizacional

Antes de seguir em frente com o nosso guia completo de comunicação nas empresas, é inevitável entender a estrutura da comunicação organizacional.

Esse entendimento facilita que líderes e liderados compreendam suas responsabilidades, direitos e deveres dentro do processo de comunicação. 

Todo processo de comunicação possui 4 elementos básicos e cada um deles tem papel fundamental no fluxo. Se houver inconsistência em algum desses elementos, possivelmente, haverá falha de comunicação.

Observe abaixo como é a estrutura da comunicação nas empresas:

Perceba que para existir um processo de comunicação é preciso que exista um emissor e um receptor. Além disso, a mensagem será transmitida por meio de um canal de comunicação, do qual falaremos ao longo deste artigo.

Desta forma, compreende-se que esse pode ser um processo cíclico acontecendo constantemente dentro das empresas, a exemplo das reuniões de alinhamento, como pode ser um processo pontual que acontece através da transmissão de um recado via telefone, como na ilustração.

Do mais simples ao mais elaborado, todo processo de comunicação terá suas particularidades e importância, pois uma mensagem mal transmitida é algo que se deve evitar a todo custo.

Tipos de comunicação nas empresas

Já que estamos falando sobre as singularidades do processo de comunicação, vale reforçar que existem diferentes tipos de comunicação nas empresas.

Algumas organizações podem explorar todos eles, enquanto que outras podem utilizar  somente alguns.

Disto isto, vejamos quais são os tipos de comunicação nas empresas:

Comunicação verbal: neste tipo de comunicação o que predomina é a fala. Ou seja, é um processo de envio de mensagem entre emissor e receptor que acontece de forma verbal, expressa por meio de uma conversa.

Comunicação escrita: como o próprio nome deixa claro, a escrita é quem protagoniza esse tipo de comunicação. Neste caso, a comunicação verbal ganha uma roupagem de escrita e por meio dela, enviando uma mensagem que demanda a leitura.

Comunicação não verbal: neste caso não se utiliza a comunicação verbal ou escrita, mas sim um fluxo de mensagem baseado em sinais que podem ser sonoros, visuais ou os dois ao mesmo tempo.

Cada um dos tipos de comunicação que acabamos de conhecer se dá por meio de um canal de comunicação para que a estrutura esteja, finalmente completa.

Você também pode gostar de ler: Verdade e amor na comunicação

Canais de comunicação

Lembra que ao falar sobre a estrutura da comunicação nas empresas, citei o canal como um importante elemento do processo? Talvez este seja um dos pontos altos deste guia, pois a escolha do canal influencia diretamente no sucesso da comunicação.

Conheça alguns dos principais canais de comunicação dentro das empresas:

Reuniões: este é um canal muito comum e conhecido, contudo nem sempre é utilizado em sua magnitude. As reuniões de alinhamento tem um poder singular e podem ser feitas de forma sistematizada para que sejam efetivas e objetivas ao mesmo tempo.

Planilhas: as planilhas também podem ajudar na organização de tarefas, projetos e escalas de trabalho de forma visual e prática. Se você deseja que o time tenha acesso e alimente a planilha simultaneamente poderá utilizar o Google Planilhas, como uma opção interessante.

Aplicativos de mensagens: algumas empresas têm sua própria ferramenta de comunicação assíncrona. Essa necessidade fica ainda mais latente quando se trata de uma equipe remota ou mista (algumas pessoas remotas e outras no escritório). O WhatsApp também pode ser um canal de comunicação se for interessante para a equipe, pois ele é muitíssimo particular.

Ferramentas de gerenciamento de tarefas: assim como os aplicativos de mensagens, algumas empresas adotam ferramentas institucionais de gerenciamentos de tarefas. Se esse não for o seu caso, que tal testar essa organização em conjunto com a sua equipe? Nas ferramentas de gerenciamento de tarefas é possível delegar atividades, acompanhar o andamento das tarefas, bem como fazer anotações marcando os envolvidos.

E-mails: assim como as reuniões de alinhamento o e-mail é um importante canal de comunicação do tipo escrita. Contudo, o uso de e-mail deve ser combinado e direcionado conforme a necessidade da equipe. É muito fácil uma tarefa ou recado cair no limbo dos e-mails se esse canal for não bem gerenciado.

Murais: esse canal de comunicação é extremamente visual e pode ser muito explorado pelos líderes e RHs para fazer comunicados, publicar escalas, avisos e até mesmo, indicadores de gestão à vista.

Relatórios: também do tipo escrita, os relatórios comunicam as mensagens de forma simples e prática, por meio de gráficos, análises estratégicas e condensamento de dados. É muito comum ouvir os líderes pedindo relatórios para entender o andamento dos resultados e se comunicar assertivamente com a equipe.

5 dicas para melhorar a comunicação com a sua equipe

Se você chegou até este ponto da leitura já compreendeu que é indispensável entender o processo e verificar quais tipos/canais de comunicação fazem parte do seu dia a dia, para então melhorar o seu fluxo comunicativo se assim o desejar.

Desta forma, eu não poderia fechar este artigo sem trazer algumas dicas do que pode ser feito para transformar positivamente a comunicação entre líder e liderados. 

Portanto, acompanhe comigo:

Dica 1) Defina os canais de comunicação

É de máxima importância que o líder defina aos canais de comunicação que serão utilizados pela sua equipe. Esse trabalho pode ser feito em conjunto a fim de que se alcance um maior engajamento no uso dos canais. Além de definir os canais é importante pensar o que se espera de cada um deles no que diz respeito a prazo de retorno, teor do conteúdo, responsabilidades e etc.

Dica 2) Cultive uma cultura de escuta

Para que a comunicação aconteça em sua essência é preciso que haja um emissor e um receptor da mensagem, ou seja, fala e escuta. O líder que se dispõe a ser um canal de escuta tanto quanto de fala, terá condições de entender sua equipe, estreitando os laços de profissionalismo e comprometimento. Além disso, poderá aproveitar ao máximo o potencial de todas as pessoas que fazem parte dela.

Dica 3) Tome cuidado com a linguagem corporal

Se você já ouviu falar em linguagem corporal, sabe que o corpo fala tanto quanto as palavras em si. A forma como você se comporta quando está transmitindo uma mensagem tem um poder singular. A posição do corpo, a expressão do rosto e os gestos não podem fugir do radar de um líder que deseja se comunicar bem.

Dica 4) Alinhe objetivos, metas e estratégia

Manter a equipe alinhada é peça chave no quebra-cabeça de um time de sucesso. Se as pessoas não sabem para que direção a empresa está indo, qualquer caminho pode parecer o certo. E não é! Somente com o alinhamento dos objetivos, estratégias e metas, ou seja, o que será feito para chegar onde se deseja, se tem capacidade de conduzir a equipe de forma harmônica rumo aos melhores resultados esperados. Ao fazer esse tipo de alinhamento, o comprometimento das pessoas tende a aumentar.

Dica 5) Dê feedbacks periódicos

Essa dica não poderia ficar de fora, pois eu percebo que muitos líderes esperam que as pessoas saibam o que fazer sem nem mesmo parar para explicar. O óbvio nunca é óbvio e somente por meio de feedbacks estruturados e empáticos, o líder conseguirá ter o melhor que o seu time pode dar.

Se você se interessa pelo tema comunicação, assista essa super Live que eu fiz com a Patrícia Calazans sobre: Comunicação consciente e o impacto nos relacionamentos.

Quem se comunica não se trumbica

Se ao percorrer as empresas eu encontrasse líderes genuinamente preocupados em colocar em prática algumas das dicas acima, certamente teríamos equipes mais motivadas, alinhadas e produtivas.

A comunicação nas empresas pode até ser desafiadora, entretanto existem maneiras simples, confiáveis e seguras de torná-la algo prazeroso e fluido, ainda que seja necessário falar sobre pontos de melhoria, metas e prazos.

Sendo assim, quem se comunica não se trumbica, como já dizia o meu avô.

Você sabia que no Vanusa Cardoso Academy temos um curso super bacana sobre Comunicação Não Violenta? Pois bem, nós temos! Para saber mais clique na imagem abaixo:

comunicacao-nao-violenta

Antes de ir embora comenta aqui embaixo quais são suas principais dificuldades com a comunicação da sua equipe.

BLOG AMORVERDADE

Verdade e amor na comunicação

Os vários motivos que nos levam a dizer algo para alguém podem ser resumidos em duas categorias: amor e desamor. Na categoria amor, estão as mensagens ditas com uma boa intenção. Já na categoria desamor, encaixam-se as mensagens ditas com o intuito de agredir, machucar ou humilhar o outro.
Além disso, a mensagem pode ser composta por informações verdadeiras ou por mentiras que, combinadas com a motivação e a forma que é dita, podem causar diferentes efeitos, bons e ruins. A comunicação ideal é aquela em que a verdade é dita com uma boa intenção.

Mentir por amor: satisfação inicial com mágoa posterior
Todos sabem que não devemos mentir com a intenção de atingir negativamente alguém, gerar intrigas ou passar na frente dos outros. Mas muitas pessoas ainda têm a ideia de que a mentira pode ser algo bom, desde que feita com a intenção de ajudar, agradar ou evitar desentendimentos.
Por melhor que seja a intenção, não devemos mentir. A mentira feita com amor gera um agrado e uma satisfação momentânea e, posteriormente, torna-se mágoa, e faz as pessoas perderem a confiança que possuíam em nós. Além disso, a mentira para agradar pode fazer com que o outro continue a fazer algo inadequado, o impedindo de melhorar pontos que precisam ser trabalhados.

Sinceridade: doa a quem doer
Devemos sempre dizer a verdade, mas isso não significa que podemos dizê-la de qualquer maneira. Nem todos com intenção de machucar utilizam da mentira para isso. Às vezes, uma verdade dita de maneira insensível pode causar um efeito tão desagradável quanto uma mentira, gerando conflitos e afastando as pessoas em volta.

Não basta ser verdade
A verdade dita com uma boa intenção, com o propósito de ajudar o outro, para que ele possa melhorar aspectos que ainda estão inadequados é o melhor caminho para uma boa comunicação, tanto na área pessoal quanto profissional.
Quando falamos a verdade de maneira cuidadosa, transparecendo nossa boa intenção, o outro escuta, entende e absorve a informação. Pode gerar um efeito inicial de frustração que, posteriormente, torna-se satisfação. Além disso, essa prática ajuda no crescimento individual, fazendo com que o outro busque melhorar o que estava inadequado até o momento.

Como tem sido a sua comunicação, você tem conseguido se comunicar com Amor-Verdade?

vanusa_cardoso_blog_como discordar_sem brigar_em_5 passos

Como discordar sem brigar em 5 passos

Como você sabe, somos todos diferentes e temos nossas próprias histórias, vontades e opiniões. E em nossa trajetória encontramos diversas pessoas: algumas com vivências parecidas e pensamentos que vão de encontro ao nosso. Outras, com planos completamente diferentes e opiniões que não entendemos e/ou não concordamos. 

E acredito que a beleza da vida está aí: no outro, nas diferenças, no discordar.
Se todos pensássemos e fizéssemos as mesmas coisas, se tivéssemos as mesmas aspirações, sem questionarmos, como poderíamos evoluir como planeta, sociedade e individualmente? 

O outro nos desafia. E, ao contrário do que muitos pensam, é possível discordar sem brigar. Está tudo bem não concordar com o outro ou ser questionado sobre seus próprios atos e opiniões. O que não pode acontecer é essa discussão, que deveria ser saudável e se transformar em aprendizado, se tornar uma briga. 

Mas afinal, por que as pessoas brigam em uma discussão?

Primeiro tenha em mente que discutir não é sinônimo de brigar. O conceito de discutir está ligado ao ato de analisar e argumentar, levantar questionamentos acerca de algo, defender pontos de vista. Acho importante desmistificar a palavra discussão. Não é porque duas pessoas estão discutindo, que elas estão brigando. Entende?

Além da má-interpretação da palavra, que contribui para algo negativo, também acredito que muitos brigam durante a discussão porque não conseguem se colocar no lugar do outro, porque não têm empatia.

E a empatia é elemento-chave na comunicação não-violenta. Saber ouvir, sem julgar, procurando entender o outro e a sua história é essencial para discutir; para procurar um meio-termo entre as duas opiniões e resolver, ao invés de brigar. 

Geralmente, uma discussão que termina em brigas, tem como foco defender as próprias opiniões, ao invés de chegar a uma solução. As duas pessoas estão tão focadas no que estão sentindo e pensando, que não conseguem se ouvir. Por isso a empatia se torna importante. 

É possível discordar sem brigar. Quando se há respeito e empatia, quando há vontade de ouvir o outro sem julgamentos, para entendê-lo, a discussão se torna um aprendizado e se transforma em solução. 

O que fazer para discordar sem brigar? 

Eu acredito que existem formas de discordar sem brigar com o outro. Ainda que você seja uma pessoa “esquentada”, que precisa “controlar o Hulk interior”, saiba que há formas de expor o que pensa, a sua opinião, sem se exaltar. Então para que você passe o ano mais conectado consigo mesmo e se comunicando de forma assertiva e não-violenta, listei 5 passos para você discordar sem brigar:

1 – Está nervoso? Evite a discussão

Quando estamos de cabeça quente, o ideal é esperar. Respirar fundo, tomar aquele copo de água, entender os próprios pensamentos, para depois dizer o que sente e o que acha. Observe seu corpo. Quando você está nervoso, sente um aperto na garganta? No pescoço? O estômago dói? Nosso corpo fala e dá os indícios de que iremos nos exaltar.

Em uma discussão saudável, uma pessoa escuta a outra e vice-versa. Se as duas estão bravas, não há diálogo, há a defensão dos próprios pontos de vista. Então, ao invés de discutir de cabeça quente, diga ao outro que você não está no seu melhor dia e que precisa pensar sobre o assunto, antes de dar uma resposta. Não há do que se envergonhar ao falar isso. É muito melhor acalmar a mente, do que depois tentar remediar o que já foi dito. 

2 – Concentre-se nos fatos 

Quando a discussão começar a ficar mais acalorada, concentre-se nos fatos. Coloque-se no lugar do outro e, juntos, vejam o que é mais viável, o que faz sentido e é mais lógico fazer. Essa é uma dica muito boa para ambientes corporativos. Então, se você não concorda com o ponto de vista do chefe ou do colega, traga fatos: experiências que você teve executando uma tarefa da forma que ele deseja e você não concorda, dados de pesquisas, opiniões de especialistas e outros.

3 – Mantenha o tom de voz

A discussão está começando a ficar complicada? Preste atenção no seu tom de voz. Muitas pessoas, quando não concordam com o outro, acabam aumentando a voz e isso não é um bom sinal. Então, mantenha sempre o tom educado e respeitoso ao discordar. Concentre-se em ouvir e entender o outro e defender seu ponto de vista, sem se exaltar. Respire, tome uma água e, caso não consiga acalmar os ânimos, encerre a discussão – como a dica do primeiro tópico.

4 – Escute o outro

Durante a discussão, abra o coração e ouça o que o outro tem a dizer. Busque entender seu ponto de vista sem julgá-lo. Ouça de verdade, sem ser para rebater o que ele está dizendo. Quando conseguimos nos conectar com o outro e entendê-lo, fica muito mais fácil nos fazermos entender e chegarmos a um consenso. Lembre-se: empatia é tudo para uma comunicação assertiva.

5 – Não leve para o lado pessoal 

Essa é uma ótima dica para discussões na empresa. Não leve a discussão para o lado pessoal. Entenda que atacar pessoalmente o outro não leva a lugar nenhum e que o importante é manter o foco na solução do problema. Ao invés de falar de crenças e estilo de vida do outro, apresente ideias e soluções. Foque em ouvir e defender seus pontos de vista com base em fatos. 

Gostou das dicas? Espero que você consiga colocá-las em prática e que as suas discussões não se transformem mais em brigas. Ah, e se você quiser aprender mais sobre comunicação não-violenta, comunicação assertiva e comunicação amor/verdade, estou com turmas abertas para meu curso 100% online

É possível discordar sem brigar, estabelecer relações mais tranquilas e comunicar o que sente com verdade e amor. A comunicação é peça-chave do sucesso no trabalho e na família, então, bora aprender mais neste ano que está iniciando? Aproveite e encaminhe este material e o link do curso para quem você ama. 

Até a próxima!

vanusa_cardoso_coaching_empatia_.jpg

Por que empatia é essencial para estabelecer uma comunicação mais assertiva?

Nas redes sociais, em palestras, artigos na internet e até nas mídias mais tradicionais, como jornais, revistas e programas de televisão: o mundo tem pedido por empatia.
O tema está sendo cada vez mais lido, ouvido, falado, discutido. Mas afinal, o que isso significa? Por que a tal da empatia, essa que todo mundo fala e publica, é tão importante? O que ela tem a ver com a forma como a gente se comunica?

Empatia nada mais é do que a capacidade de se colocar no lugar do outro, de ouvir sem julgamento, de entender sua história, o que a pessoa está passando, o que ela está sentindo, para aí, compreender suas atitudes e decisões. 

Ser uma pessoa empática é ter a capacidade de sentir a dor ou a alegria do outro, mesmo que não haja uma ligação profunda com o mesmo. É entender e ter a consciência de que todos nós passamos por situações diferentes e que cada um tem uma forma de viver e lidar com elas. 

Empatia vem de empatheia, que significa paixão, estado de emoção, em grego. Traçando um paralelo entre as duas palavras, empatia e paixão, conseguimos perceber que ambas têm a capacidade de se projetar no outro, de se identificar com alguém. 

Empatia x Simpatia 

Quando falamos de empatia é quase impossível não associarmos o termo a outras palavras de grafia semelhante, como simpatia. Diferentemente do que muitas pessoas acham, empatia e simpatia não são a mesma coisa.

A simpatia tem uma resposta mais intelectual, enquanto a empatia é mais emocional.
A primeira está relacionada à vontade de estar junto ao outro, de agradá-lo. Já a empatia estimula a vontade de conhecer e compreender alguém, mesmo que esse alguém não seja tão próximo.

Enquanto a empatia ocorre por um processo de compreensão, de vestir os óculos do outro e buscar enxergar como ele, a simpatia une as pessoas por causa das afinidades que elas possam ter, por causa do que têm em comum, do que conhecem, comem, têm como hobbie e assim por diante. Agora ficou fácil entender a diferença entre as duas, não é mesmo?

A importância da empatia na comunicação 

Para nos comunicarmos bem, de forma efetiva, é necessário entendermos o outro e a nós mesmos. Por isso empatia e autoconhecimento são fundamentais para uma comunicação assertiva. 

Na visão de Daniel Goleman, psicólogo e autor do livro Inteligência Emocional, a empatia nos auxilia na compreensão da perspectiva alheia, melhorando consideravelmente a forma como nos comunicamos uns com os outros. 

Quando nos abrimos para ouvir o outro, identificar o que é importante para ele; descobrir como essa pessoa enxerga o mundo e tudo o que ela passou para chegar onde está, conseguimos entender o que falar, onde, quando e como falar.

Esse processo torna a comunicação muito mais assertiva, humanizada, e pode ser implementado em todas as relações. Se pensarmos que boa parte dos problemas se dá pela falta de comunicação, talvez você, que está lendo este artigo, esteja passando por alguma situação em casa, com algum amigo, ou no ambiente de trabalho por causa disso. 

Como aplicar a empatia no dia a dia?

Para ter uma atitude empática, o essencial é estar com a mente e o coração abertos, ouvir o outro e deixar o julgamento de lado. Ressalto novamente que cada um tem uma história, tem medos, traumas e estamos todos em evolução. Para trazer a empatia pro seu dia a dia é necessário se despir dos preconceitos e se vestir de compreensão, entender, conforme a realidade do outro, seu ponto de vista e, por fim, suas atitudes. 

Saiba ouvir. Quando você estiver conversando com alguém, deixe o celular de lado. Mantenha-se aberto e presente na conversa. Mostre que você está ali para ouvir, entender e ajudar o outro. 

Curiosidade e observação também ajudam. Algumas pessoas são mais reservadas, não gostam muito de compartilhar o que estão vivendo no momento, mas, com cuidado, fazendo as perguntas certas, elas podem se abrir, estabelecer uma relação de confiança com você, e aceitar a sua ajuda. Observar e, cuidadosamente, perguntar se o outro está bem, se precisa de ajuda, se quer conversar, são formas de exercitar a empatia. 

Agora que você já entendeu o que é empatia e porque ela é tão importante no dia a dia, como uma comunicação empática melhora relações, o que você acha de implementá-la no trabalho, em casa, no trânsito…? Você verá que muitos dos problemas que você tem hoje diminuirão. Você será mais assertivo ao comunicar o que sente, o que deseja e, também, entenderá o que o outro está passando. 

É por acreditar que todos nós precisamos trabalhar melhor a comunicação, a forma como escutamos o outro e a forma como expressamos nossos sentimentos, que no Vanusa Cardoso Academy, disponibilizei 27 videoaulas sobre o tema. 

O curso é dividido em três módulos: Comunicação não-violenta, Comunicação assertiva e Comunicação Amor Verdade. Todos eles ajudam a melhorar a relação consigo mesmo e com os outros. Tenho certeza de que esse aprendizado fará bem para muitos. Quer saber mais? Clique no banner e confira!

Bora trazer mais empatia para seu dia a dia? Espero você no próximo artigo. Até breve! 

Comunicação Não-Violenta

Como praticar a Comunicação Não-Violenta?

A maior parte dos conflitos que temos com outras pessoas, seja em ambientes pessoais ou corporativos, é causado não propriamente pela divergência de opiniões, e sim pela forma como expomos nossas ideias.

Porém, quando nos propomos a falar sem julgamento e escutar genuinamente na essência, temos a oportunidade ímpar de vivenciar relacionamentos mais saudáveis.

Tendo isso em vista, o psicólogo Marshall Rosenberg desenvolveu o conceito de Comunicação Não-Violenta (CNV) com o intuito de estimular as pessoas a construírem relações mais empáticas. Neste post explicamos um pouco mais sobre esse método e damos dicas, com base nas quatro etapas da Comunicação Não-Violenta, de como criar relações mais pacíficas. Confira a seguir:

Afinal, o que é Comunicação Não-Violenta?

Esse conceito parte do pressuposto de que, embora desejemos a harmonia e a cooperação, o confronto com familiares, colegas de profissão e demais pessoas com opiniões ou culturas diferentes da nossa, nos induz a reações repetitivas e automáticas que perpetuam ciclos de emoções dolorosas. Raiva, punição, vergonha e culpa são alguns dos sentimentos que fazem parte dessa lógica comportamental.

Diante disso, a Comunicação Não-Violenta se baseia em habilidades de linguagem que reforçam a conexão do indivíduo com suas necessidades profundas, para que o mesmo possa deixar claro para o outro o que deseja e
desse modo seja capaz de estabelecer um diálogo mais assertivo.

Caso queira tornar-se mais consciente em suas respostas, continue a leitura e descubra como praticar a Comunicação Não-Violenta.

 

1. Observe de maneira descritiva e não julgadora

Há uma sutil diferença entre afirmar e julgar. O primeiro verbo se refere a uma descrição de fatos sem generalizações ou exageros linguísticos como “sempre”, “nunca”; e “jamais”. Já a segunda palavra está carregada de adjetivos que transformam um retrato particular sobre alguém numa história taxativa e geralmente parte de um ponto de vista arbitrário.

Por exemplo, a frase “Puxa vida, você nunca participa das confraternizações da empresa” tem um tom julgador, ao passo que, ao dizer “Puxa vida, você só veio duas vezes esse ano nas confraternizações. Sentimos saudade da sua presença!”, o gestor está praticando uma Comunicação Não-Violenta, pois ao invés de criticar o comportamento do colaborador está exprimindo sentimentos e estimulando o funcionário a participar das próximas celebrações.

Em outras palavras, evite fazer julgamentos, pois isso cria uma reação defensiva e exercite sua mente para que, cada vez mais, você seja capaz de expressar-se com compaixão.

 

2. Afirme o sentimento que a observação lhe desperta

Experimente nomear as suas emoções, isso faz com que o outro compreenda com mais facilidade o que você está sentindo. Tem enfrentando problemas de convivência com algum colega de trabalho? Diante de circunstâncias assim, a maioria de nós é impelido a fazer acusações e questionamentos.

Ao invés de assumir uma postura inquisitiva e propensa a interrogações tais como: “Por que você não fala comigo? Por acaso te fiz alguma coisa?”, treine identificar quais sensações essa situação lhe desperta, chame o colega para conversar e expresse seus sentimentos. Uma boa maneira de iniciar o diálogo seria: “Notei que temos conversado muito pouco (observação). Estou preocupado com isso”. Esse tom propicia a conexão entre os interlocutores e estimula ambos a buscarem um espírito de respeito mútuo e cooperação.

 

3. Fale dos desejos e necessidades que trazem esses sentimentos à tona

Ao compreender os seus sentimentos, você pode encontrar as necessidades e desejos por trás deles. Fazer declarações a respeito disso o ajudará a ter clareza sobre o que ocorre no seu coração ou no do outro no instante da
conversa.

Ao enfrentar um conflito no trabalho, uma pessoa que ainda está imersa no modo de se comunicar julgador diria: “Por que você vira a cara quando eu passo?”. Consegue notar a agressividade e estímulo ao confronto? Outro caminho mais conciliador seria utilizar as seguintes palavras: “Vejo que você afasta o olhar enquanto falo e anda falando tão baixo que mal posso escutá-lo (observação). Me sinto desconfortável (sentimento), pois preciso de um pouco de contato agora”. Bem melhor, não é mesmo?

 

4. Faça um pedido concreto para que a ação encontre a necessidade identificada

Por fim, peça de maneira clara e específica para a pessoa fazer algo concreto que irá satisfazer o desejo ou necessidade que acabou de identificar.

Um exemplo: ao invés de dizer “não quero que grite”, seria mais efetivo pedir que “fale num tom mais baixo”.

Para que o pedido não tenha um tom de exigência, permita que a outra pessoa diga não ou proponha alternativas.

E caso necessite de ajuda para se comunicar melhor (clique aqui), conte conosco. Teremos muito prazer em lhe ajudar a conectar-se melhor com os outros ao seu redor.

Qual é a sua forma de comunicar? Passivo, passivo-agressivo, agressivo ou assertivo?

Qual é a sua forma de comunicar?

Passivo, passivo-agressivo, agressivo ou assertivo?

Exatamente isso, e dependendo da forma como nos comunicamos temos mais ou menos assertividade em nossas conexões.
Muito se fala em ser assertivo, em ter assertividade em ser adulto emocionalmente. Já escutou este termo por aí?

 

“Assertividade é a capacidade que uma pessoa possui de se expressar de forma franca e sincera sem negar os direitos dos outros.”

 

Ou seja, ser assertivo é conseguir expressar-se (falar o que está sentindo, no entanto no tom, forma e contexto adequado. Acha possível tornar-se uma pessoa assertiva na sua comunicação?

Minha resposta é que SIM! Sabe porquê? Por que assertividade é uma habilidade, portanto possível de ser desenvolvida.
Como desenvolver? Primeiro reconhecendo como sou, como me comunico, trazendo para a luz da consciência em qual dos 4 mecanismos estou me comunicando hoje.

 

Então vamos lá as 4 formas de comunicação:

1. Comportamento passivo

Nesta hipótese a pessoa concorda com o que é dito ou com os acontecimentos à sua volta, mesmo não concordando.
Principais características: normalmente são tímidas, raramente se envolvem, tem vergonha de perguntar porquê, tem medo de dizer não, sentem falta de confiança e raramente reclamam (mesmo descontentes).

Como são os comportamentos dessa pessoa?

Guardam quase tudo o que sentem, tem paciência “sapo boi”, engolem literalmente os “sapos” da vida. Mas quando chegam no seu limite, explodem. Vão para o outro extremo, ocorrendo assim os rompimentos.

Sabe aquela pessoa que nunca reclama, e quando menos se espera ela pede demissão ou pede para se separar? Esse é o comportamento da pessoa que tem como predomínio de comportamento passivo.

 

2. Comportamento passivo-agressivo

Estas são aquelas pessoas que sempre têm algo a dizer, no entanto nunca dizem. Elas não tem coragem para expressar o que pensam e reclamam pelas costas.

Suas principais características são: evitam conflito, raramente se manifestam, no entanto são agressivos por traz dos panos. São os famosos (as) “duas caras”, considerados falsos. Ficam em cima do muro, não manifestam sua opinião, no entanto falam de você pelas costas

Como são os comportamentos dessa pessoa?

Essa pessoa evita conflito, no entanto é “rebelde e imatura emocionalmente”. Não tem coragem de expressar o que sente e pensa, no entanto gera intriga com seu comportamento “em cima do muro”. Essa pessoa precisa investir em seu autoconhecimento, tomar consciência do quanto esse comportamento impacta em seus relacionamentos e sair do papel de vítima. Precisa internalizar e ressignificar que, falar para “os lados” não resolve, só desagrega e gera falta de confiança para as pessoas a sua volta.

 

3. Comportamento agressivo

Aqui ocorre o oposto, a pessoa responde de forma agressiva a qualquer situação, gerando conflitos desnecessários e muitas vezes não percebidos pelo próprio.

Suas principais características são: tem opiniões bem fortes e não tem medo de expressá-las, mesmo quando não lhe é solicitado.

Como são os comportamentos dessa pessoa?
Sabe aquela pessoa que é grosseira e ríspida e diz assim: “sou sincero, falo na cara mesmo, não importa se vão ou não gostar”.

Conhece alguém assim? Então, esse é o comportamento agressivo, na verdade a pessoa até é sincera, no entanto a forma como se expressa gera prejuízos e conflitos nas suas relações interpessoais muitas vezes irreversíveis, afastando as pessoas.

Na foto deste artigo demonstro uma imagem para exemplificar um comportamento agressivo. A pessoa agressiva intimida, gera medo e distanciamento nas pessoas.

 

Você se identifica com o comportamento agressivo? Isso te prejudica?

 

4. Comportamento assertivo

Chegamos então no melhor dos mundos, o comportamento ASSERTIVO!
Aqui a pessoa expressa de forma adequada todos os seus pensamentos e sentimentos, não perdendo de vista uma tentativa de solução para o eventual problema.

Suas principais características são: fala por si mesmo (a), usa linguagem corporal apropriada, mantém contato visual e não têm medo de perguntar por quê.

Como são os comportamentos dessa pessoa?
É uma pessoa íntegra com seus sentimentos e emoções, ou seja, consegue viver em harmonia com o pensar, sentir e agir. Essa pessoa vive de forma coerente, se expressa com gentileza e firmeza ao mesmo tempo. Demonstra segurança em sua fala, sabe o que quer!

A assertividade é importante para você?

 

Como posso me tornar mais assertivo?

Uma forma prática para treinar a comunicação assertiva é saber o que quer e falar por si mesmo usando frases com os verbos:

  • “eu compreendo”
  • “eu percebo”
  • “eu observo”
  • “eu sinto”
  • “eu vejo”
  • “eu quero resolver”

 

Não tenha medo de perguntar por quê?

Saiba dizer “não” acompanhado de frases que demonstrem como você se sente. Mas não se sinta obrigado a ter que se justificar sempre e não peça desculpas, pois a desculpa enfraquece sua posição. Diga “não” sempre firme e calmamente combinando seu tom com a mensagem.

Um maior número de respostas assertivas levará a pessoa a melhorar seus relacionamentos, já que haverá chances menores de frustrações, conflitos ou mal entendidos, uma vez que ele estará na maior parte do tempo exprimindo corretamente seus sentimentos e emoções.

Agora que você já trouxe para a luz de consciência o conceito dos 4 comportamentos lhe provoco a pensar: como você está se comunicando hoje? Está agindo no arquétipo do adulto e sendo assertivo? Leia esse artigo.

Boa notícia, comunicação assertiva é uma habilidade, totalmente possível de ser desenvolvida!

 

Gostou deste artigo? Não perca os próximos. Cadastre-se agora para receber novos conteúdos em primeira mão!

 

Quais outros temas você gostaria que escrevêssemos para você? 

Deixe aqui seu comentário e nos estimule a ir além e contribuir cada vez mais com seu autodesenvolvimento!

 

Saiba AGORA como reduzir os conflitos nos relacionamentos. Aprenda técnicas poderosas.

Um abraço coach,
Vanusa Cardoso.
Psicóloga, Master coach e especialista em processos grupais.